sicnot

Perfil

País

Henrique Neto diz que candidatura visa a estabilidade política

O candidato presidencial Henrique Neto afirmou hoje que a sua candidatura visa a estabilidade, mas caso venha a ser eleito em 2016 tirará as "consequências necessárias" se um Governo minoritário não resolver os problemas nacionais.

Arquivo SIC

Se um Governo minoritário, comigo na Presidência, não correspondesse ou não resolvesse os grandes problemas nacionais, não estivessem pelo menos bem anunciados ou não tivessem sido discutidos na campanha eleitoral, eu teria de tirar daí as necessárias consequências", respondeu, quando questionado se daria posse a um Governo minoritário.

Henrique Neto, que falava aos jornalistas após um encontro com dirigentes nacionais do PSD na sede nacional do partido, em Lisboa, sublinhou também que a sua candidatura é "uma candidatura para a criação de estabilidade".

 "É desejável que haja um consenso partidário ou entre os partidos, dependendo dos resultados da eleição", afirmou acrescentando que veria "com tristeza, ou pelo menos com desgosto, a possibilidade de não haver esse acordo partidário".

O candidato a Presidente da República declarou que durante a reunião com o PSD lhe foram explicadas "algumas ideias e propostas que o Partido Social Democrata apresentará ao país e que serão fonte de debate na próxima campanha eleitoral", e que expôs aos dirigentes do partido um conjunto de ideias "inovadoras, diferentes, mais próximas da realidade".

O documento com as ideias principais da candidatura de Henrique Neto chama-se "por uma nova República" e refere que, caso seja eleito, os portugueses poderão esperar que seja "o Presidente da República mais empenhado e cooperante de sempre com qualquer Governo e partidos", ou "o Presidente da República mais determinado a lutar por essa melhoria das perspetivas de futuro".

O vice-presidente do PSD Marco António Costa, um dos dirigentes que recebeu Henrique Neto, referiu que foi uma conversa "bastante cordial e proveitosa de parte a parte".

Para Marco António Costa, Henrique Neto, que já foi deputado eleito pelo PS, "é uma personalidade que tem um prestígio próprio na sociedade portuguesa independentemente de haver divergências de natureza política e de natureza opcional relativamente a questões de fundo".

Henrique Neto avançou ainda que pediu encontros com todos os partidos, com o objetivo de ouvir as suas propostas para o país, e que vai também reunir-se com as centrais sindicais no próximo mês.

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.