sicnot

Perfil

País

Metro de Lisboa amanhã só funciona a partir das 10h00 devido a greve parcial

O Metropolitano de Lisboa deverá amanhã funcionar a partir das 10:00  devido a uma greve parcial decretada pelos sindicatos representativos dos trabalhadores, informou hoje a empresa.

Miguel A.Lopes

Numa nota, o Metropolitano de Lisboa revela que, "por motivo de greve parcial convocada pelas organizações sindicais representativas dos trabalhadores" da empresa, o serviço de transporte estará suspenso amanhã "entre as 06:30 (hora habitual de abertura) e as 09:30", prevendo-se que "a circulação esteja normalizada a partir das 10:00".

Devido à greve, a Carris reforçará com um número suplementar de autocarros as carreiras que coincidem com os eixos servidos pelo Metro, designadamente as carreiras 726 (Sapadores-Pontinha), 736 (Cais do Sodré-Odivelas), 744 (Marquês de Pombal-Moscavide) e 746 (Marquês de Pombal-Estação da Damaia), acrescentou o Metropolitano.

Na sexta-feira, o tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decretou serviços mínimos apenas relativamente aos serviços necessários à segurança e à manutenção para a greve parcial de terça-feira, o que não abrange a circulação de composições.

Os trabalhadores contestam a subconcessão do Metro, atualmente em concurso público até 14 de maio, decidida pelo Governo.

Para o descontentamento dos trabalhadores contribui também a existência de "problemas concretos de trabalho da maior parte das categorias profissionais e a redução cada vez mais acentuada do número de trabalhadores" e a defesa do Metropolitano "enquanto empresa pública", de acordo com a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans).

A greve de terça-feira é a quarta greve parcial no Metro desde o início do ano. Foram já realizadas greves semelhantes a 24 de fevereiro e a 16 e 18 de março.

 Os trabalhadores do Metro tinham marcado uma paralisação de 24 horas para 10 de abril, que adiaram primeiramente para o dia 17 deste mês e que acabaram por suspender depois de o tribunal arbitral ter decretado a obrigatoriedade de realização de serviços mínimos.

De acordo com Anabela Carvalheira, da Fectrans, os serviços mínimos põe em causa a segurança na circulação do Metro.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa e os da rodoviária Carris agendaram greves de 24 horas contra a subconcessão das empresas para 12 e 14 de maio, respetivamente.

Quando suspenderam a greve de dia 17 de abril, os sindicatos representativos dos trabalhadores do Metro alertaram, em comunicado, que seria "a última vez" que adiariam o protesto "em defesa da segurança".

Lusa

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19