sicnot

Perfil

País

Governo propõe planos de igualdade para acabar com diferenças salariais entre género

O  Governo vai propor hoje em concertação social que as empresas adotem planos de igualdade para acabar com a discriminação entre homens e mulheres no mercado de trabalho, nomeadamente corringindo as diferenças salariais.

© Vincent Kessler / Reuters

Esta é uma das recomendações apresentadas num documento de suporte à discussão do tema da igualdade entre mulheres e homens no mercado de trabalho, que integra a ordem de trabalhos da reunião de concertação social, convocada para hoje, a pedido do Gabinete do ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social.

De acordo com o documento enviado aos parceiros sociais, as empresas podem candidatar-se ao financiamento, com fundos europeus, de projetos que tenham como objetivo a eliminação de desigualdades salariais.

As recomendações do Governo são apresentadas na sequência de um relatório do ano passado que referia um diferencial salarial médio entre homens e mulheres de 18%, em desfavor das mulheres.

A Comissão Permanente de Concertação Social vai ainda discutir as alterações ao Fundo de Compensação do Trabalho e Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho.

Esta será a última reunião plenária desta comissão presidida por Silva Peneda, que deixa o cargo quinta-feira, para assumir funções na Comissão Europeia.

  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.