sicnot

Perfil

País

Penso com micro-agulhas é alternativa indolor a vacinas

Um investigador da Universidade da Beira Interior desenvolveu um penso com micro-agulhas que procura ser alternativa "indolor" e mais barata a vacinas e a medicamentos administrados por via oral.

Reuters

O penso com micro-agulhas penetra na camada superficial da pele, não provoca dor e não precisa de entrar na corrente sanguínea, não sendo "necessário entregar uma grande dose porque não tem de andar por toda a corrente sanguínea", explicou André Moreira, responsável pelo projeto desenvolvido no Centro de Investigação em Ciências da Saúde e apresentado hoje, em Coimbra.

As vias tradicionais de administração de fármacos têm "desvantagens", seja "o desconforto e dor" das vacinas, seja as grandes doses utilizadas pelos medicamentos por via oral, sendo que há uma interação das moléculas bioativas com tecidos saudáveis.

Com este novo produto, pode-se "facilitar a acessibilidade a medicamentos", não é necessário "ser uma pessoa treinada" para o administrar e pode levar a uma redução de custos, apontou o jovem investigador, salientando que pretende estabelecer contactos com a indústria farmacêutica para produzir o produto.

Este foi um dos produtos apresentados hoje na sede do Conselho Empresarial do Centro, em Coimbra, resultante da segunda edição do INESPO, um projeto de inovação em rede entre as universidades da região Centro e da região de Castela e Leão, em Espanha, que promove a transferência de conhecimento das instituições de ensino superior para as empresas.

Filipa Domingues, da Universidade de Aveiro, apresentou um projeto que procura combater a problemática "do elevado consumo de combustível e facilidade de perda de redes" por parte da indústria pesqueira nacional.

Para isso, a sua equipa está a desenvolver "software" que permite otimizar as rotas através da previsão das correntes marítimas, permitindo desenhar um trajeto que pode rentabilizar tanto o tempo como o combustível, explanou.

Já David Barroso, também da Universidade de Aveiro, apresentou o "Findster", um produto que permite localizar, através de radiofrequência, crianças ou animais, não sendo tão caro como os produtos existentes e sem precisar de um pagamento mensal, tendo conseguido já 100 mil euros de 'crowdfunding' numa plataforma digital "Indiegogo".

Estes são alguns dos 15 protótipos desenvolvidos ao longo da segunda edição do INESPO, que decorreu entre 2013 e 2015, que atribuiu bolsas a alunos e investigadores para desenvolverem produtos aplicáveis ao mercado, disse à agência Lusa o coordenador geral da iniciativa, Mário Raposo.

Entre outras coisas, o INESPO também promoveu um programa de "capacitação empreendedora" a cerca de 150 investigadores e ajudou a desenvolver 40 planos de negócio e seis 'spin-offs', acrescentou.

O projeto é para continuar e pretende-se que, na terceira edição, haja uma aposta em ferramentas para a "internacionalização", avançou.

O INESPO contou com um financiamento de 938 mil euros.



Lusa
  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47