sicnot

Perfil

País

"Acusação tem excessos", diz defesa do suspeito de 439 crimes de abuso sexual de crianças

O advogado do homem suspeito de 439 crimes de abuso sexual de nove crianças, que hoje começou a ser julgado em Penafiel, considera que a acusação tem muitas "imprecisões e excessos".

(Arquivo)

(Arquivo)

"Há (na acusação) muitas imprecisões e excessos. Há crimes de que o arguido está acusado que me parece não terão sido praticados. Vamos tentar desmontar essa situação", afirmou Hernâni Gomes, em declarações ao jornalistas.

O advogado falava na pausa para almoço da primeira sessão de julgamento que está a decorrer à porta fechada.

Segundo a acusação do Ministério Público, o suspeito, de 36 anos, desenvolveu, pelo menos desde os 18 anos, uma "forte atração sexual" por crianças do sexo masculino, com idades entre os sete e os 12 anos.

Aos jornalistas, o jurista adiantou hoje que o seu constituinte, professor de educação física e treinador de futebol, prestou declarações ao longo da manhã (durante cerca de três horas), respondendo às questões formuladas pelo tribunal.

Sublinhou também que o suspeito "está muito calmo e a reagir muito bem a todas as questões".

Hernâni Gomes esclareceu que o depoimento do arguido "não vai muito de encontro aos factos da acusação", acrescentando que "está a rebater" a tese do Ministério Público.

Avançou também que o seu constituinte "não admitiu nem deixou de admitir a existência de quaisquer crimes pelos quais está acusado".

"Está a dar as explicações para os comportamentos que teve ao longo da vida e o seu relacionamento com os menores", acrescentou o causídico.

Questionado sobre as expectativas que tem para o julgamento, o advogado disse "aguardar com expectativa o depoimento da prova indicada pela acusação".

"São mais importantes as testemunhas indicadas pela acusação", acentuou, acrescentando: "Vou tentar demonstrar que aquilo que está na acusação não é exatamente o que ocorreu ou o que não ocorreu".

O julgamento prossegue esta tarde, prevendo-se que o suspeito responda às questões formuladas pelo Ministério Público.

O arguido responde pela alegada prática 260 crimes de abuso sexual de dois alunos (130 por cada uma das vítimas), de 2010 a 2013, período durante o qual foi professor de educação física e lecionou aulas de apoio de outras disciplinas a alunos com necessidades educativas especiais, numa escola de Lisboa.

Entre 2009 e 2013, é suspeito de abusar sexualmente de um sobrinho que, à data do início dos factos, tinha oito anos.

Segundo a acusação, em 2012, enquanto treinador de escalões jovens de um clube de futebol de Lisboa, o arguido convenceu os pais de um menor a deixá-lo pernoitar, nas vésperas dos jogos, em sua casa, além de o levar consigo para Marco de Canaveses, numa viagem à Madeira e a passar uma semana num hotel de Lisboa. Estão em causa 100 crimes de abuso sexual de crianças.

O homem iniciou funções como docente de um centro de reabilitação, no Funchal, na ilha da Madeira, em 2013. É acusado de 30 crimes cometidos sobre um menor que frequentava a instituição.

O arguido encontra-se em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional do Porto.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.