sicnot

Perfil

País

Instituto de Medicina Legal proibiu médicos de participarem em congresso, denuncia Ordem

O Instituto Nacional de Medicina Legal proibiu médicos do seu quadro de serem conferencistas num congresso ibérico que vai decorrer no Porto no fim de semana, denuncia a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

"Ninguém pode proibir a divulgação científica e é isso que está a acontecer", disse à agência Lusa o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, questionando o porquê da alegada coação à "liberdade dos seus profissionais".

A haver motivos por parte do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), estes "são alheios à ciência, ao conhecimento e à divulgação científica", sublinhou Carlos Cortes, considerando que se "está a desrespeitar uma das funções" dos médicos, "que é a formação e a divulgação" de conhecimento.

Em causa está a proibição à participação científica de "vários médicos", cinco deles que seriam conferencistas, no Congresso Ibérico de Medicina Legal e Ciências Forenses, a realizar-se no Porto, na sexta-feira e no sábado, em que um dos responsáveis pela organização é o ex-presidente do próprio instituto, Duarte Nuno Vieira.

Num comunicado enviado na terça-feira, a SRCOM, "perante denúncias de alguns médicos", condenou "os atos de alegada censura e coação à liberdade científica e de expressão de que estão a ser alvo alguns profissionais" do instituto, que tem sede em Coimbra.

Carlos Cortes afirmou que vai submeter o caso ao gabinete jurídico da Ordem, sublinhando ainda que as conferências dos médicos no congresso de que teve conhecimento não seriam sobre a sua atividade no INMLCF e que a sua presença não provocaria nenhuma falta ao trabalho.

A SRCOM já solicitou também esclarecimentos à direção da INMLCF, dando conhecimento ao colégio da especialidade.

Instado pela agência Lusa a comentar, o presidente do instituto, Francisco Brízida Martins, numa resposta enviada hoje por correio eletrónico, afirmou que "a participação de qualquer trabalhador da Administração Pública em eventos alheios à instituição para que trabalham obedece a regras", tendo por isso os seus profissionais "o dever de informação e a necessidade de autorização prévia, o que não se verificou".

Face ao não envio de um pedido de autorização prévia, a direção do Instituto de Medicina Legal "entendeu dever acautelar a não quebra dos exigíveis deveres de reserva e confidencialidade".

O presidente do INMLCF frisa ainda que a entidade a que preside "estimula e apoia" a "produção, investigação e participação científicas a todos os níveis", sublinhando que "nenhum médico foi proibido de participar".

Apesar dessa constatação, a agência Lusa teve acesso à mensagem por correio eletrónico enviada por Francisco Brízida Martins a um dos médicos, em que este refere que não autoriza a preleção do tema proposto, justificando que o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses não se mostra envolvido no evento e que não chegou ao mesmo instituto qualquer pedido de participação, entre outras razões apontadas.



  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.