sicnot

Perfil

País

Lisboa vai candidatar bairros históricos a património da UNESCO até 2018

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, informou hoje que o município vai apresentar, "até fevereiro de 2018", uma candidatura dos bairros tradicionais da cidade às Paisagens Urbanas Históricas da UNESCO.

© Rafael Marchante / Reuters

O autarca, que falava na reunião camarária de hoje, acrescentou que o município não vai retomar a candidatura da Baixa Pombalina a Património Cultural da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), alargando-a antes a outras zonas.

"Foram os deputados municipais que puseram a hipótese de, em vez de se retomar o processo, alargar a área a [outros] bairros históricos e não apenas a Baixa", assinalou Manuel Salgado, que respondia a questões levantadas pelo vereador social-democrata António Prôa, que ali salientou a importância desta candidatura para a "salvaguarda do património".

Desta feita, a candidatura vai incluir a "classificação numa nova categoria, em Paisagens Urbanas Históricas", disse.

Porém, segundo Manuel Salgado, isso será só será possível depois de 2017, já que Portugal integra o Comité do Património da UNESCO até esse ano, o que impede o país de apresentar candidaturas.

Segundo este responsável, "a candidatura da Baixa e área envolvente está a ser trabalhada pelos serviços da Câmara e prevê-se que seja apresentada até fevereiro de 2018".

O autarca, que integrou o comissariado da Baixa-Chiado, responsável pela elaboração de um plano de intervenção para aquela zona, referiu que a candidatura mais alargada "já não será feita neste mandato, mas será neste mandato que serão desenvolvidos trabalhos necessários" para a mesma.

A candidatura da Baixa lisboeta à distinção da UNESCO foi aprovada em 2005 pela Câmara de Lisboa, então presidida por Pedro Santana Lopes, mas o processo não avançou porque foi necessário garantir "uma proposta muito forte", explicou Manuel Salgado à Lusa em 2011, altura em que se pensou retomá-la.

Na aprovação do dossiê final, em julho de 2005, a Câmara de Lisboa destacava que a candidatura da Baixa Pombalina a Património Mundial representava "uma oportunidade única para obter o reconhecimento internacional deste património histórico e monumental, que constitui parte integrante da alma e da identidade" da capital. 

A área a classificar correspondia ao plano de reconstrução elaborado em 1756, ano a seguir ao terramoto que destruiu grande parte da cidade e compreende a zona baixa e central, que incluía, entre outras, as ruas Áurea, Augusta e dos Fanqueiros e as praças do Rossio, da Figueira e do Comércio. Eram ainda abrangidas a zona ribeirinha e a zona alta, que compreende o Chiado, assim como, a Ocidente, a zona envolvente a Chagas e Santa Catarina, e a Oriente, a zona confinante com a Rua de São Mamede.

Lusa
  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.