sicnot

Perfil

País

Portugueses cumprem mais as regras de trânsito quando partilham viagens

Os condutores portugueses cumprem mais as regras de trânsito e são mais responsáveis quando partilham uma viagem do que quando conduzem sozinhos, indica um estudo europeu que é hoje divulgado em Portugal.

LUSA

Segundo o inquérito realizado em dez países europeus, 73 por cento dos condutores portugueses torna-se mais seguro e responsável quando partilha o automóvel em viagens, posicionando-se Portugal em quinto lugar da tabela, atrás da Holanda, Reino Unido, Itália e França.

A percentagem desce quando se trata dos automobilistas portugueses que viajam sozinhos, tendo 47% afirmado que se sente mais seguro e cumpre as regras do trânsito.

O primeiro estudo europeu sobre o impacto da partilha de automóveis na segurança rodoviária refere que a presença de passageiros no carro "é uma força motivadora" para os condutores serem "mais atenciosos e cuidadosos ao volante".´

Nesse sentido, 88 por cento dos condutores portugueses explica que ter passageiros a bordo os ajuda a manterem acordados e em alerta ao volante, 68% sente-se obrigado a respeitar cuidadosamente as regras de trânsito e 84% declara que a viagem decorre sem qualquer stress.

O estudo indica também que 95% dos condutores portugueses presta mais atenção ao espelho retrovisor quando partilha a viagem, 86% não fala ao telemóvel, nem envia mensagens escritas durante a condução, 90% faz sinais luminosos que indica a mudança de direção e 95% presta mais atenção ao espelho retrovisor.
O estudo, levado a cabo por uma empresa francesa de estudos de opinião, em parceria com uma rede europeia de partilha de automóvel, realizou-se entre novembro e dezembro de 2014 em Portugal, França, Reino Unido, Espanha, Bélgica, Itália, Alemanha, Polónia, Rússia e Turquia.

A amostra foi de 1500 portugueses, dos quais 500 são membros da rede europeia de partilha de carros.


Lusa

  • Vaca algarvia em risco de extinção
    3:42

    País

    É uma corrida contra o tempo e o risco iminente de extinção. Numa altura em que são conhecidos apenas cinco exemplares da raça bovina algarvia, a inseminação artificial parece ser a única forma de evitar o desaparecimento completo de uma raça que foi desaparecendo com as mudanças na agricultura.