sicnot

Perfil

País

Prisão preventiva para alegado autor do quádruplo homicídio na Póvoa de Varzim

Um juiz de instrução criminal de Vila do Conde decretou hoje a prisão preventiva para o alegado autor do quádruplo homicídio de terça-feira na Estela, Póvoa de Varzim, disse o presidente da Comarca do Porto.

ESTELA SILVA

José António Rodrigues da Cunha deu esta informação pelas 19:30, cerca de meia hora após o arguido sair do tribunal, juntamente com o seu advogado, Jorge da Costa, que deixou implícito que o seu cliente ficaria com a medida de coação mais gravosa, mas não foi perentório.

"As medidas de coação são aquelas que vocês podem imaginar", disse apenas.

O suspeito entrou no tribunal às 15:45. 

Cerca de 200 pessoas concentradas junto às instalações judiciais de Vila do Conde e vigiadas por um dispositivo policial, assinalaram a chegada do arguido com manifestações de animosidade, apelidando-o de "assassino", constatou a agência Lusa no local.

O homicídio ocorreu cerca das 09:00 de terça-feira, vitimando pessoas quatro da mesma família: os ex-sogros, a ex-mulher e o ex-enteado.

O homem, que é empresário, acabou por ser detido na A3, em Valença, a dois quilómetros da fronteira espanhola.

Já hoje, a Polícia Judiciária (PJ) emitiu um comunicado no qual refere que as quatro mortes na Estela ocorreram na sequência de "conflitos com a posse de terrenos e o recebimento das respetivas rendas" entre o alegado homicida e uma das vítimas. 

Em comunicado, a PJ, através da Diretoria do Norte, refere que os conflitos já se vinham a arrastar "desde há algum tempo", entre o suspeito, a sua ex-companheira e familiares desta.

Os funerais das vítimas fazem-se pelas 16:00 de sexta-feira na igreja da Estela, segundo aviso colocado à porta do templo.

Lusa
  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.