sicnot

Perfil

País

Ambulâncias em marcha de protesto pelas ruas de Lisboa

Duas dezenas de ambulâncias de transporte de doentes iniciaram pelas 11:00 de hoje uma marcha de protesto em Lisboa contra o que classificam de tratamento desigual nesta atividade.

Arquivo LUSA

O protesto visa alertar as várias entidades ligadas ao transporte de doentes -- Ministérios da Saúde e Finanças e INEM - estando prevista ainda durante esta marcha paragens na Procuradoria-geral da República e na Assembleia da República.

Na origem do protesto estão a condições de acesso a esta atividade e que, na opinião de representantes da iniciativa, podem pôr em risco 80 por cento das empresas de transporte de doentes.

Em Portugal existem cerca de 80 empresas que se dedicam a esta atividade, quando ainda há poucos anos eram 210.

A marcha pelas ruas de Lisboa começou na zona norte do Parque das Nações e prossegue com as viaturas em fila, sendo encabeçada por um veículo da polícia, que vai abrindo caminho às ambulâncias.


Lusa
  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.