sicnot

Perfil

País

Metro de Lisboa tem níveis de ruído que podem afetar saúde dos passageiros

Os utentes do Metro de Lisboa estão sujeitos a ruído que pode afetar a saúde, provocando problemas como cansaço, zumbidos nos ouvidos ou aumento do ritmo cardíaco, e cinco troços apresentam níveis mais elevados, revela um estudo da Quercus.  

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

"Verificamos que em todos os percursos foram medidos níveis médios de ruído superiores a 80 decibéis, o que pode representar um risco para a saúde dos passageiros, sobretudo para os grupos de crianças e idosos e para os operadores do Metropolitano", nomeadamente a perda auditiva, disse hoje à agência Lusa Mafalda Sousa, da associação de defesa do ambiente.

Os troços mais sujeitos a níveis elevados de ruído foram "Cais do Sodré--Rossio, Cidade Universitária--Entrecampos, Senhor Roubado--Ameixoeira, Chelas-Oriente e Pontinha-Carnide, com valores que ultrapassaram, na maioria dos casos, os 85 decibéis", realçou a técnica.

A Quercus acrescenta que, mesmo nos troços mais recentes da rede, como a linha vermelha, entre as estações do Oriente e do Aeroporto, "foram registados níveis sonoros médios superiores a 84 decibéis em todas as medições".

A partir dos 70 a 75 decibéis, o corpo humano começa a ter reações ao ruído (físicas, mentais ou emocionais), e "uma exposição de média-longa duração a um ruído intenso pode provocar zumbidos nos ouvidos, aumento da produção de adrenalina, contração dos vasos sanguíneos, aumento da pressão sanguínea e do ritmo cardíaco", explica o trabalho da Quercus. 

As consequências imediatas traduzem-se em dificuldades na comunicação, concentração, fadiga e desconforto, redução do comportamento de ajuda e aumento da irritabilidade, segundo o estudo, que aponta como referência o nível médio de 75 decibéis por percurso, estabelecido pelo New York City Noise Code (código de ruído da cidade de Nova Iorque, nos EUA).  

Fatores como o volume de tráfego, a manutenção e a qualidade acústica das infraestruturas e das carruagens ou a amplificação do ruído, por se tratar de um canal confinado, aumentam os impactes associados à exposição ao ruído.

"Há uma ausência de legislação nacional e comunitária sobre os limites de ruído a que os utentes dos transportes públicos deveriam estar expostos, nomeadamente no caso do metropolitano, e são poucos os estudos sobre ruído no metro, só [existe] mesmo o de Nova Iorque", avançou Mafalda Sousa.

Na vertente do ruído ocupacional, associado aos trabalhadores do metro, os prejuízos para a audição aumentam com a idade e com o tempo de exposição.

Entre as medidas pontadas para reduzir o ruído no Metro estão a correta insonorização do habitáculo das carruagens, a adoção de rodas com maior capacidade de amortecimento e de sistemas de ventilação mais silenciosos, sendo também aconselhado que, em futuras expansões da rede, seja reduzida a propagação do barulho, através da correta escolha dos materiais.   

O estudo realizou-se entre agosto e setembro de 2014 e envolveu uma "avaliação limitada" do ruído nas quatro linhas do Metropolitano de Lisboa, em duas viagens em cada sentido e por cada linha, abrangendo um período de acalmia e um período de hora de ponta, e foi feita uma comparação com os tempos de exposição recomendados pela Organização Mundial de Saúde e pela agência norte-americana que fiscaliza esta área (EPA).

Dados da Agência Europeia do Ambiente referem cerca de 20 milhões de europeus afetados pelo ruído ambiental, nomeadamente dos transportes, e serão 125 milhões, ou um em cada quatro, aqueles afetados pelo barulho do tráfego automóvel, que atinge níveis superiores ao limite máximo estipulado.

O ruído elevado tem vários efeitos na saúde, como hipertensão e doenças cardiovasculares, levando a cerca de 10 mil mortes prematuras e a 43 mil hospitalizações por ano, na Europa, segundo aquela entidade.

Lusa




  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.