sicnot

Perfil

País

Cerca de um quarto dos condutores autopsiados tinha álcool no sangue em 2014

Cerca de um quarto dos condutores envolvidos em acidentes de viação e autopsiados em 2014 acusou álcool no sangue, percentagem que tem vindo a descer nos últimos anos, anunciou esta segunda-feira a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Os dados foram revelados durante uma sessão promovida pela ANSR e a Associação Nacional de Bebidas Espirituosas (ANEBE) para assinalar a Semana Global da Segurança Rodoviária das Nações Unidas, que hoje começa, e apresentar o projeto de sensibilização rodoviária dirigido aos jovens "100% Cool". (Arquivo)

Os dados foram revelados durante uma sessão promovida pela ANSR e a Associação Nacional de Bebidas Espirituosas (ANEBE) para assinalar a Semana Global da Segurança Rodoviária das Nações Unidas, que hoje começa, e apresentar o projeto de sensibilização rodoviária dirigido aos jovens "100% Cool". (Arquivo)

© Rick Wilking / Reuters

Segundo o presidente da ANSR, Jorge Jacob, 26,6 por cento dos condutores vítimas de acidentes rodoviários e autopsiados em 2014 apresentaram níveis de alcoolemia acima do limite permitido por lei (igual ou superior a 0,50 gramas de álcool por litro de sangue).

Jorge Jacob adiantou que a percentagem de condutores autopsiados com álcool diminuiu em 2014 face a 2013, ano em que cerca de 33 por cento dos automobilistas mortos estavam alcoolizados.

Os dados foram revelados durante uma sessão promovida pela ANSR e a Associação Nacional de Bebidas Espirituosas (ANEBE) para assinalar a Semana Global da Segurança Rodoviária das Nações Unidas, que hoje começa, e apresentar o projeto de sensibilização rodoviária dirigido aos jovens "100% Cool".

Na cerimónia, o presidente da ANSR disse também que entre 2013 e 2014 houve uma redução de 17 por cento no número de condutores jovens (entre os 18 e os 29 anos) apanhados ao volante com álcool pelas forças de segurança durante ações de fiscalização.

Em declarações aos jornalistas, Jorge Jacob afirmou que os dados estatísticos confirmam que os portugueses alteraram os seus comportamentos ao volante e estão a beber menos quando conduzem, atribuindo essa redução às campanhas de sensibilização rodoviária e às ações de fiscalização das forças de segurança. 

O presidente da ANSR sublinhou que são os jovens condutores que registam uma maior redução no consumo do álcool quando estão a conduzir. 

"Os jovens são um grande grupo de risco, têm num risco de morte superior a 40 por cento aos restantes estratos etários, é ai que se tem sentido os melhores resultados", sustentou, destacando a importância da campanha "100% Cool", que existe desde 2002 e valoriza os jovens condutores com zero por cento de álcool.

O presidente da ANSR disse ainda que o objetivo para este ano é atingir os 25 por cento de condutores mortos e que registem uma taxa de álcool superior à legal.
Lusa
  • Cavaco apela ao voto contra a eutanásia
    1:09

    País

    A eutanásia será discutida no Parlamento na terça-feira e os deputados do PS e PSD terão liberdade de voto. O PCP e CDS já se anteciparam e garantem que vão votar contra. Cavaco Silva é outra voz crítica em relação a esta questão. O ex-Presidente da República diz que é a decisão mais grave que os deputados podem tomar e apela que nas legislativas de 2019 não se vote nos partidos que forem a favor da morte medicamente assistida.

  • Papa terá pedido a bispos que rejeitem seminaristas homossexuais
    1:15
  • Duquesa de Sussex já tem brasão

    Harry & Meghan

    O Palácio de Kensington apresentou esta sexta-feira o brasão da Duquesa de Sussex, Meghan Markle. O brasão foi criado pelo College of Arms mas teve a ajuda da duquesa para que este fosse "pessoal e representativo".

    SIC

  • Moradores de Lake Worth recebem alerta para invasão de mortos-vivos

    Mundo

    E se de repente recebesse uma mensagem que alertava que a sua cidade estava a ser atacada por mortos-vivos? Foi o que aconteceu com os moradores da cidade norte-americana de Lake Worth, que foram surpreendidos durante a madrugada por uma mensagem de emergência dos serviços estatais, que os avisava de "atividade extrema de mortos-vivos".

    SIC