sicnot

Perfil

País

Código de conduta é "desnecessário", refere o Sindicato dos Funcionários Judiciais

O presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais classificou hoje de "inútil e desnecessário" o código de conduta publicado na página da Direção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ), que impõe regras de comportamento aos trabalhadores, desvalorizando o documento.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

"Os oficiais de justiça, na maioria das situações, até desconheciam que o código se encontrava lá na página da DGAJ e desvalorizamos completamente. Achamos que é um documento inútil e desnecessário e que acaba em alguns aspetos a cair no ridículo", disse Fernando Jorge à agência Lusa.


Segundo a edição de hoje do Diário de Noticias, o diretor-geral da Administração da Justiça, Pedro Lima Gonçalves, assinou uma circular, publicada na página oficial da DGAJ, na qual, entre outras medidas, proíbe os funcionários judiciais de prestar informações à comunicação social, de falar alto no trabalho e de ter som no telemóvel, além de obrigar colegas a denunciar infratores.


Fernando Jorge sublinhou que se trata de "um código que não preocupa os funcionários judiciais" e que, até ao momento, não houve nenhuma situação decorrente da aplicação do documento relativamente aos oficiais de justiça, desabafando que o mesmo será "uma necessidade de apresentar serviço, como se costuma dizer".



O sindicalista lembrou ainda que os funcionários judiciais estão sujeitos a regras e normas que obedecem desde sempre, reiterando a existência de um controlo que é imposto pelos códigos processuais dos tribunais, nomeadamente a figura do Segredo de Justiça.


"Em alguns aspetos, parece um regulamento para uma escola ou colégio interno, os tribunais não se compadecem com regulamentos escolares, são sítios onde todos os dias há conflitualidade. É por isso mesmo que existem os tribunais, porque existem conflitos e as normas de funcionamento dos tribunais são diferentes daquelas que são para muitos organismos da Administração Pública", frisou.


Segundo Fernando Jorge, o código de ética e conduta baseia-se numa orientação genérica "que o Governo deu para a Administração Pública há dois ou três anos", desconhecendo porque é que apareceu agora novamente a público.


Para o sindicalista, a obrigatoriedade dos colegas denunciarem um infrator já acontece, lembrando que as situações de "anormalidade ou de eventuais más atitudes que configurem qualquer ilícito criminal" devem ser denunciadas por qualquer pessoa, " mais ainda se for funcionário publico".


Lusa
  • Santana Lopes confirma buscas na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
    1:26

    País

    Pedro Santana Lopes confirmou esta quarta-feira a realização de buscas por parte da polícia judiária à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. O provedor da Santa Casa disse aos jornalistas que o processo está relacionado com suspeitas em compras efetuadas pela Misericórdia, situação que há dois anos já tinha sido objeto de inquérito interno.

  • Oposição aproveita debate quinzenal para questões sobre a CGD
    2:35

    Caso CGD

    A oposição aproveitou o debate quinzenal para questionar o primeiro-ministro sobre a polémica em torno da Caixa Geral de Depósitos. O CDS exigiu provas de António Costa para afirmar que as contas do banco foram maquilhadas e o PSD perguntou ao primeiro-ministro se não estranha a demissão de António Domingues quando este apresentou a declaração de rendimentos.

  • Turismo da Madeira investe mais de 3 milhões de euros no programa de festas
    2:22

    País

    A Madeira já vive a época de Natal. O turismo da região investiu mais de 3 milhões de euros no programa de festas de Natal e Fim de Ano para atrair os turistas. Os residentes e também turistas aproveitam para desfrutar do ambiente mágico proporcionado pelas tradicionais iluminações à mistura com as decorações e gastronomia típicas da quadra.

  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.