sicnot

Perfil

País

Acidentes nas estradas provocaram 155 mortos este ano

Os acidentes nas estradas portuguesas provocaram este ano 155 mortos, mais 20 do que em igual período do ano passado, indicou esta quarta-feira a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 10.674 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 132 do que em 2014. (Arquivo)

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 10.674 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 132 do que em 2014. (Arquivo)

Lusa

Segundo a ANSR, as vítimas mortais aumentaram quase 15 por cento entre 1 de janeiro e 30 de abril em relação ao mesmo período de 2014.

A ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, adianta que este ano registaram-se 38.372 desastres nas estradas, mais 1066 do que em 2014, quando tinham ocorrido 37.306.

Os distritos com mais vítimas mortais este ano foram Lisboa (18), Setúbal (17) e Aveiro (15).

Já no distrito de Bragança não se registou qualquer vítima devido aos acidentes rodoviários.

Também os feridos graves aumentaram nos quatro primeiros meses de 2015, tendo ficado gravemente feridos 618, mais 23 do que em igual período de 2014, indica a ANSR.

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 10.674 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 132 do que em 2014.

As vítimas mortais da ANSR dizem respeito aos mortos cujo óbito ocorreu no local do acidente ou a caminho do hospital.
Lusa
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.