sicnot

Perfil

País

Cerca de 250 pessoas apoiadas pela AMI em 2014 foram vítimas de violência doméstica

Quase 250 pessoas, a grande maioria mulheres, apoiadas pela Assistência Médica Internacional no ano passado, relataram ter sido vítimas de violência doméstica, revela o relatório anual da AMI hoje divulgado

SIC

O Relatório de Atividades e Contas 2014 da AMI refere que 248 pessoas (87% das quais mulheres) relataram episódios de violência doméstica, sendo que 47% das mulheres tinham entre os 30 e os 49 anos, 31% eram divorciada e 27% eram casadas ou viviam em união de facto (27%). 

"O agressor é na maior parte dos casos o cônjuge/namorado (40%), recorrendo a agressões físicas (38%), a ofensas e insultos (6%)", adiantam os dados.

A AMI verificou também 96 casos de violência de género, sendo 99% das vítimas mulheres, a maioria com idades entre os 30 e os 49 anos (62%), divorciada ou solteira (50%), e 17% encontravam-se em situação de sem-abrigo. 

Estas mulheres eram vítimas de agressões físicas (80%) e ofensas/insultos (12%). 

Segundo o documento, os serviços mais procurados por esta população foram o apoio social (78%) e o apoio alimentar (59%).

A AMI ressalva no documento que o facto de este indicador ser recente na base de dados (desde 2011), "acrescido da sensibilidade da própria temática e de só ser registado quando verbalizado ou questionado pelo assistente social no atendimento social, poderá contribuir para não refletir o fenómeno na sua verdadeira dimensão e gravidade".

   Segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), a violência doméstica registou 22.959 participações em 2014, o que representa uma subida de 0,1 por cento face ao ano anterior.

    Dados do Observatório das Mulheres Assassinadas da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), baseados nos casos noticiados pela imprensa, acrescentam que 43 mulheres foram mortas em 2014 vítimas de violência doméstica.

    No primeiro trimestre deste ano, segundo a UMAR, já foram assassinadas nove mulheres (quatro em janeiro, uma em fevereiro e quatro em março).

    Em média, a AMI registou 326 novos casos de pobreza por mês em 2014, ano em que 3.916 pessoas procuraram pela primeira vez apoio na organização, menos 996 face a 2013.



Lusa
  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.