sicnot

Perfil

País

Navio português participa em missão da CPLP na costa ocidental africana

O navio da Marinha portuguesa Figueira da Foz partiu na terça-feira para o Golfo da Guiné e costa ocidental africana, numa missão de cooperação técnico-militar com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

(Arquivo)

(Arquivo)

marinha.pt

A Marinha portuguesa informou hoje na sua página da Internet que a missão, que vai prolongar-se até dia 01 de julho, tem por objetivo o "estreitamento das relações bilaterais entre as marinhas dos países da CPLP".

No decorrer da missão, o  navio da Marinha Portuguesa irá navegar cerca de 10.000 milhas náuticas, visitando, pela primeira vez, países como São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial, Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

A Marinha indicou também que, durante a permanência naqueles países, o navio "vai desenvolver ações no quadro dos acordos de cooperação bilateral em matérias como a vigilância, fiscalização e segurança marítima".

O 'Figueira da Foz' vai também dar apoio no âmbito da política externa do Estado português, referiu ainda a Marinha na sua página na Internet.

No Navio da República Portuguesa (NRP) 'Figueira da Foz', o segundo da classe Viana do Castelo, seguem 60 militares, incluindo uma equipa de fuzileiros, uma de mergulhadores e outra médica.



DD // ARA

Lusa/Fim



NewsSubjects:- Política - Sociedade - Organizações internacionais - Organizações de socorro - equipamento militar - cooperação económica 

20150506T095239
  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00