sicnot

Perfil

País

Professores do ensino artístico em protesto frente ao Ministério da Educação

Uma delegação de professores e de dirigentes sindicais vai concentrar-se hoje em frente do Ministério da Educação e ali permanecer até ser agendada uma reunião para debater o financiamento do ensino artístico especializado.

(arquivo)

(arquivo)

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A concentração junta docentes e dirigentes da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), estrutura que garante, em comunicado, que os professores vão permanecer em frente do Ministério da Educação (MEC) até serem recebidos ou até ser marcada uma reunião "para data muito próxima".

"É que a FENPROF e os professores não querem reunir-se com o MEC para serem informados das decisões já tomadas, querem reunir-se antes disso acontecer para poderem tomar parte, também, da tomada de decisão", diz-se no comunicado.

A concentração de hoje, como outra recente em frente da sede da Comissão Europeia em Lisboa, deve-se à contestação sobre o modelo de financiamento das escolas de ensino artístico especializado.

O dinheiro vem de fundos europeus mas os professores, diz a Fenprof, exigem um modelo "que obrigue o Estado Português, através de verbas inscritas em Orçamento do Estado, a garantir o financiamento das escolas e o pagamento atempado dos salários dos seus trabalhadores".

Quinta-feira da semana passada mais de uma centena de professores e diretores de escolas artísticas concentrou-se diante da sede da Comissão Europeia para exigir o pagamento atempado das verbas devidas a estes estabelecimentos de ensino.

  Porque através do atual modelo há atraso no pagamento das verbas para a maioria das escolas, como por exemplo, os Conservatórios de Música e de Dança do centro e norte do país. E sem elas não se podem pagar salários. 

  Neste momento, "25 por cento das escolas ainda não receberam todas as verbas relativas a 2014 e 76 por cento das escolas ainda não receberam os valores relativos a janeiro e fevereiro deste ano", disse na semana passada à agência Lusa Pedro Rovira, da direção executiva dos Conservatórios de Coimbra, Figueira da Foz e Pombal.



Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.