sicnot

Perfil

País

Professores do ensino artístico em protesto frente ao Ministério da Educação

Uma delegação de professores e de dirigentes sindicais vai concentrar-se hoje em frente do Ministério da Educação e ali permanecer até ser agendada uma reunião para debater o financiamento do ensino artístico especializado.

(arquivo)

(arquivo)

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A concentração junta docentes e dirigentes da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), estrutura que garante, em comunicado, que os professores vão permanecer em frente do Ministério da Educação (MEC) até serem recebidos ou até ser marcada uma reunião "para data muito próxima".

"É que a FENPROF e os professores não querem reunir-se com o MEC para serem informados das decisões já tomadas, querem reunir-se antes disso acontecer para poderem tomar parte, também, da tomada de decisão", diz-se no comunicado.

A concentração de hoje, como outra recente em frente da sede da Comissão Europeia em Lisboa, deve-se à contestação sobre o modelo de financiamento das escolas de ensino artístico especializado.

O dinheiro vem de fundos europeus mas os professores, diz a Fenprof, exigem um modelo "que obrigue o Estado Português, através de verbas inscritas em Orçamento do Estado, a garantir o financiamento das escolas e o pagamento atempado dos salários dos seus trabalhadores".

Quinta-feira da semana passada mais de uma centena de professores e diretores de escolas artísticas concentrou-se diante da sede da Comissão Europeia para exigir o pagamento atempado das verbas devidas a estes estabelecimentos de ensino.

  Porque através do atual modelo há atraso no pagamento das verbas para a maioria das escolas, como por exemplo, os Conservatórios de Música e de Dança do centro e norte do país. E sem elas não se podem pagar salários. 

  Neste momento, "25 por cento das escolas ainda não receberam todas as verbas relativas a 2014 e 76 por cento das escolas ainda não receberam os valores relativos a janeiro e fevereiro deste ano", disse na semana passada à agência Lusa Pedro Rovira, da direção executiva dos Conservatórios de Coimbra, Figueira da Foz e Pombal.



Lusa
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.