sicnot

Perfil

País

Pai de criança retida na Bélgica pede entrega do processo ao tribunal

A defesa do pai de Alice - a menina que esteve retida na Bélgica - solicitou ao Tribunal de Faro que peça à Proteção de Crianças a entrega urgente do processo da menina, após a comissão alegar estar impedida de o fazer.

O arguido e pai da menina - acusado de tê-la sequestrado e retido na Bélgica durante dois anos -, foi notificado esta semana de que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) está impedida de enviar certidões integrais ou parte de processos de promoção e proteção, devido ao caráter reservado do processo, ao abrigo da Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo. (Arquivo)

O arguido e pai da menina - acusado de tê-la sequestrado e retido na Bélgica durante dois anos -, foi notificado esta semana de que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) está impedida de enviar certidões integrais ou parte de processos de promoção e proteção, devido ao caráter reservado do processo, ao abrigo da Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo. (Arquivo)

SIC

Segundo o requerimento, a que a Lusa teve hoje acesso, o arguido e pai da menina - acusado de tê-la sequestrado e retido na Bélgica durante dois anos -, foi notificado esta semana de que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) está impedida de enviar certidões integrais ou parte de processos de promoção e proteção, devido ao caráter reservado do processo, ao abrigo da Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo.

No mesmo documento, a defesa de Paulo Guiomar contesta a legalidade da posição assumida pela CPCJ de Tavira, argumentando que "só pode ser interpretada (...) como uma tentativa de sonegar a informação do processo" que, no entendimento do arguido, "poderá ser vital para a descoberta da verdade material e para a boa decisão da causa".

O advogado do pai da menina considera que o "alegado" impedimento "contraria o próprio espírito da lei", quando permite ao pai, representante legal, pessoas que detenham a guarda de facto ou ao advogado a sua consulta.

A defesa de Paulo Guiomar sublinha ainda o atraso na resposta daquela comissão, uma vez que já passaram quase oito meses desde o primeiro despacho que ordenou a junção aos autos do processo de Alice, elaborado pela CPCJ de Tavira.

Insiste em que não há "qualquer fundamento legal" para a posição da CPCJ, uma vez que a Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo "não resulta, sequer, que a CPCJ esteja impedida de enviar certidões integrais ou de parte de processos de promoção e protecção", sobretudo "quando ordenados por um juiz".

O debate instrutório do caso de Alice está marcado para sexta-feira, mas a defesa refere que a diligência pode ser adiada caso os documentos requeridos à CPCJ de Tavira não sejam juntos aos autos até essa data, pelo facto de o arguido não prescindir da junção de tais elementos.

Em fevereiro, a defesa do pai de Alice, que está preso preventivamente, requereu a abertura de instrução do processo em que o arguido é acusado de sequestro, alegando que se tratou de um crime de subtração de menor. 

A avó da menina, Maria Dolores Guiomar, foi também formalmente acusada, pelo Ministério Público de Tavira, do crime de sequestro, mas está em prisão domiciliária. 

Alice esteve dois anos na Bélgica com o pai e a avó, depois de ter sido alegadamente sequestrada por ambos, em setembro de 2012, após as férias escolares, altura em que a menina deveria ter sido entregue à mãe.

O ex-agente da Polícia Marítima foi ainda acusado de abandono de funções e de detenção ilegal de arma de fogo.
Lusa
  • Menina levada pelo pai para a Bélgica terá estado 2 anos sem ir à escola
    1:21

    País

    A menina que foi raptada pelo pai e reencontrada agora na Bélgica, não terá frequentado a escola durante os dois anos em Liége. Alice, agora com 9 anos, continua numa instituição belga, desde que foi localizada pelas autoridades policiais. A menina deverá regressar a Portugal assim que as questões legais estejam concluídas.

  • Avó de Alice ouvida em tribunal
    1:35

    País

    Foi detida em Aveiro a avô que escondeu a neta durante dois anos num sótão em Liège, na Bélgica. Maria Dolores foi capturada quando regressou a Portugal para visitar o filho na cadeia. Está a ser ouvida no Tribunal de Tavira pelo crime de sequestro.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC