sicnot

Perfil

País

Quase 80% de Portugal continental em situação de seca meteorológica moderada

Quase 80% de Portugal continental encontra-se em situação de seca meteorológica moderada e 3,4% do território regista seca severa, de acordo com o boletim climatológico de abril do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Uma das novidades deste documento é a revisão a cada cinco anos das metas de contribuição de cada Estado, para tentar parar o aquecimento do planeta e as consequências associadas, como a seca.

Uma das novidades deste documento é a revisão a cada cinco anos das metas de contribuição de cada Estado, para tentar parar o aquecimento do planeta e as consequências associadas, como a seca.

(AP/ Arquivo)

O boletim hoje disponível na página do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) na Internet indica que "a 30 de abril, e segundo o índice meteorológico de seca (PDSI), verificou-se um aumento significativo da extensão e da intensidade da seca meteorológica, estando cerca de 17,6% em seca fraca, 79% em seca moderada e 3,4% em seca severa".

O IPMA adiantou que nos últimos cinco meses os valores da quantidade de precipitação mensal têm sido sempre inferiores ao normal, pelo que se mantém a situação de seca em todo o território do continente, sendo as regiões do norte e centro as mais atingidas. 

No boletim, o IPMA explicou que a seca está a ser provocada pela falta de chuva, que tem sido inferior ao que é normal.

De acordo com o boletim, o mês de abril foi muito quente e seco, sendo o valor médio da quantidade de precipitação (59,4 milímetros), foi inferior ao valor médio (78,9 milímetros).

"O valor médio da temperatura média do ar, (15,08°C) foi superior ao valor normal em mais 1,92°C, sendo para o mês de abril o terceiro valor mais alto dos últimos 18 anos (valor mais alto em 2011, 17,1°C).

O IPMA indica também que o valor médio da temperatura máxima do ar corresponde ao segundo valor mais alto dos últimos 18 anos (valor mais alto em 2011, 23,08°C).

No boletim climatológico, o IPMA revela que nos primeiros dias do mês verificou-se um período muito quente, com valores muito altos da temperatura do ar, em particular da máxima, verificando-se a ocorrência de uma onda de calor que se iniciou em 27 de março e terminou a 07 de abril.

Esta onda abrangeu quase todo o território do continente, com exceção do sota-vento Algarvio e da região oeste entre o Cabo Carvoeiro e Setúbal.

O valor mais elevado de pressão atmosférica foi registado no dia 02 de abril em Alcácer do Sal, distrito de Setúbal, (32,9 graus).



Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.