sicnot

Perfil

País

Procuradoria Geral da República pressiona tribunais a registarem ADN de condenados

A procuradoria geral da República vai pressionar os tribunais a registarem o ADN de criminosos condenados a mais de três de anos de prisão. Joana Marques Vidal vai emitir uma ordem interna para fazer aumentar a base de dados. É que desde 2010, foram inseridos no sistema apenas 800 registos por ano em vez dos 6 mil previstos. Os números são ainda piores se falarmos de amostras de ADN, como vestígios de sémen ou de sangue. Destas, apenas foi registada uma média de 10 por ano. O sistema informático que reúne estas informações permite um cruzamento de informações mais rápido e é fundamental para resolver casos de abusos sexuais ou assaltos. Processos mais complicados porque não existem outros elementos, além do ADN, que permitam a identificação dos suspeitos. O registo de ADN está no entanto dependente de um despacho do juiz, depois da decisão de condenação ter transitado em julgado.

Sic Arquivo

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira