sicnot

Perfil

País

Alunos do 12º ano pouco preparados para entrar no mercado de trabalho

Um inquérito realizado a 47 empresas em Portugal concluiu que os currículos dos alunos são desajustados e que os estudantes do 12.º estão pouco preparados para entrar no mercado de trabalho.

Reuters

Estas são duas das conclusões do questionário realizado pelo BCSD Portugal junto de 47 empresas com o objetivo de conseguir adequar os perfis pretendidos pelas empresas e a formação escolar, para desta forma reduzir o desencontro que existe entre as necessidades das empresas e as qualificações dos alunos que estão a sair das escolas secundárias.

O estudo revela que as empresas consideram prioritário adequar o ensino profissional -- do 10.º ao 12.º ano - às suas necessidades práticas de recrutamento, uma vez que 80% dos inquiridos "perceciona os candidatos do 12.º ano como pouco preparados, enquanto 30% melhoram esta perceção em relação ao ensino superior".

Em relação ao ensino secundário, o estudo revela que 70% das empresas considerou os currículos desajustados, 70% considerou o nível de conhecimento dos alunos com o 12.º ano desalinhado e 80% perceciona estes candidatos como pouco preparados. 

No que toca ao ensino superior a perceção das empresas é distinta: apenas 10% avalia os currículos como desajustados, 20% considera o nível de conhecimento no final do curso como desalinhado e 30% perceciona os candidatos com o ensino superior como pouco preparados.

Hoje, o Ministério da Educação e Ciência e o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento - BCSD Portugal assinam um protocolo de colaboração para desenhar os currículos dos cursos do ensino vocacional e na formação em contexto de trabalho. 

Além de querer perceber se o ensino português está adequado às necessidades das empresas, o questionário teve como objetivos identificar as necessidades das empresas para os próximos anos, perceber quem irão recrutar e quais as áreas onde o recrutamento é mais escasso no mercado português. 

"A importância de ter as pessoas certas para fazer crescer as empresas, o emprego e o bem-estar no país, é demonstrada neste estudo, com a identificação das áreas que são críticas para isso suceder", afirmou Fernanda Pargana, Secretária Geral do BCSD Portugal, em comunicado enviado para a Lusa. 

Engenharia tecnológica, comercial, marketing e comunicação de informação, ciências económicas, operações e logística e automação são as cinco competências mais escassas em Portugal, segundo o inquérito.

As 47 empresas que preencheram o questionário empregam 240 mil colaboradores e faturam cerca de 67 mil milhões de euros na sua atividade global e fazem parte do BCSD Portugal -- Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável.

Nos próximos anos, estas empresas esperam criar entre 7.500 e 11.200 postos de trabalho em Portugal. 

O estudo procurou perceber também quais as competências comportamentais mais importantes para as empresas apontando a liderança como mais escassa entre os profissionais.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.