sicnot

Perfil

País

Alunos do 12º ano pouco preparados para entrar no mercado de trabalho

Um inquérito realizado a 47 empresas em Portugal concluiu que os currículos dos alunos são desajustados e que os estudantes do 12.º estão pouco preparados para entrar no mercado de trabalho.

Reuters

Estas são duas das conclusões do questionário realizado pelo BCSD Portugal junto de 47 empresas com o objetivo de conseguir adequar os perfis pretendidos pelas empresas e a formação escolar, para desta forma reduzir o desencontro que existe entre as necessidades das empresas e as qualificações dos alunos que estão a sair das escolas secundárias.

O estudo revela que as empresas consideram prioritário adequar o ensino profissional -- do 10.º ao 12.º ano - às suas necessidades práticas de recrutamento, uma vez que 80% dos inquiridos "perceciona os candidatos do 12.º ano como pouco preparados, enquanto 30% melhoram esta perceção em relação ao ensino superior".

Em relação ao ensino secundário, o estudo revela que 70% das empresas considerou os currículos desajustados, 70% considerou o nível de conhecimento dos alunos com o 12.º ano desalinhado e 80% perceciona estes candidatos como pouco preparados. 

No que toca ao ensino superior a perceção das empresas é distinta: apenas 10% avalia os currículos como desajustados, 20% considera o nível de conhecimento no final do curso como desalinhado e 30% perceciona os candidatos com o ensino superior como pouco preparados.

Hoje, o Ministério da Educação e Ciência e o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento - BCSD Portugal assinam um protocolo de colaboração para desenhar os currículos dos cursos do ensino vocacional e na formação em contexto de trabalho. 

Além de querer perceber se o ensino português está adequado às necessidades das empresas, o questionário teve como objetivos identificar as necessidades das empresas para os próximos anos, perceber quem irão recrutar e quais as áreas onde o recrutamento é mais escasso no mercado português. 

"A importância de ter as pessoas certas para fazer crescer as empresas, o emprego e o bem-estar no país, é demonstrada neste estudo, com a identificação das áreas que são críticas para isso suceder", afirmou Fernanda Pargana, Secretária Geral do BCSD Portugal, em comunicado enviado para a Lusa. 

Engenharia tecnológica, comercial, marketing e comunicação de informação, ciências económicas, operações e logística e automação são as cinco competências mais escassas em Portugal, segundo o inquérito.

As 47 empresas que preencheram o questionário empregam 240 mil colaboradores e faturam cerca de 67 mil milhões de euros na sua atividade global e fazem parte do BCSD Portugal -- Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável.

Nos próximos anos, estas empresas esperam criar entre 7.500 e 11.200 postos de trabalho em Portugal. 

O estudo procurou perceber também quais as competências comportamentais mais importantes para as empresas apontando a liderança como mais escassa entre os profissionais.

  • 81 deslocados em Mação devido ao fogo
    2:46
  • Alcongosta ficou sem água, luz e telecomunicações
    2:28

    País

    O incêndio na Serra da Gardunha está dominado, mas as aldeias que estiveram rodeadas pelo fogo ainda não regressaram à normalidade. Falta água, luz e telecomunicações no sopé de uma mancha enorme de terra queimada. O fogo destruiu ainda uma floresta na Serra da Gardunha e um antigo colégio.

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04
  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.