sicnot

Perfil

País

Trabalhadores do Metro de Lisboa marcam nova greve de 24 horas para 26 de maio

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa marcaram uma nova greve de 24 horas para o dia 26 de maio, disse esta segunda-feira à Lusa fonte da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

De acordo com Anabela Carvalheira, da Fectrans, além da greve de 24 horas marcada para 19 de maio, os trabalhadores do Metro de Lisboa irão paralisar também no dia 26, em protesto contra a subconcessão da empresa.

Esta semana, na quinta-feira, há também uma greve de 24 horas marcada, esta pelos trabalhadores da rodoviária lisboeta Carris.

A Carris e o Metro têm uma administração comum desde o início do ano, que partilham ainda com a Transtejo/Soflusa, mas esta última empresa ficou fora desta proposta de concessão.

Entretanto, a Fectrans marcou para dia 21 de maio uma "Marcha contra as privatizações: Público é de todos - Privado é só de alguns", que, de acordo com informação disponibilizada no site, se iniciará pelas 10:30 no Largo Camões, em Lisboa, seguindo depois até à Assembleia da República.

Esta marcha realiza-se "contra a liquidação/privatização da TAP, da EMER [Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário] e da CP-Carga, contra a subconcessão/privatização do Metropolitano de Lisboa, Carris, Transtejo, Soflusa, STCP [Sociedade de Transportes Coletivos do Porto] e Metro do Porto, contra a entrega a privados dos serviços lucrativos da CP e contra a destruição da Refer [gestora da estrutura ferroviária] na fusão com as Estradas de Portugal".

A iniciativa pretende ainda contestar aquilo que os sindicatos consideram ser um "roubo dos direitos dos reformados" e defender "a reposição da contratação coletiva nas empresas do setor, um serviço público ao serviço dos cidadãos e o transporte público" para trabalhadores e utentes.

O Governo aprovou a 26 de fevereiro a subconcessão do Metro e da Carris e, em março, foi publicado em Diário da República o anúncio do concurso público internacional. Os candidatos à subconcessão teriam até 14 de maio para apresentar as propostas.

O concurso público para a subconcessão da STCP foi lançado em agosto de 2014, tendo sido ganho pelo consórcio espanhol TMB - Transports Metropolitans de Barcelona/Moventis, o único que se apresentou a concurso, sendo que deverá começar a operar a partir do final de junho o Metro do Porto.

Lusa
  • Do Metro de Lisboa à grande balbúrdia fiscal

    António José Teixeira

    Uma das minhas embirrações dos últimos anos é a greve continuada e repetida dos trabalhadores do Metro de Lisboa. Tornada uma inevitabilidade, talvez fosse melhor prever, logo no início do ano, quais os dias em que o Metro se ausenta. Desde 2011 parou mais de 40 vezes. Só em 2013 foram 12. Este ano, já vamos em quatro. A de amanhã foi adiada para o dia 17. Não se pense que sou contra o direito à greve. Além de um direito constitucional, é uma conquista de civilização. Um direito social e um direito político. Pode discutir-se se a greve do Metro é mais laboral ou mais frente de combate político à privatização da empresa. Pode, mas nem por isso se deslegitimará o direito à greve. 

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59