sicnot

Perfil

País

EasyJet sai a ganhar com greve na TAP

A easyJet ganhou novos passageiros com a greve de dez dias na TAP, que levou muitos a voarem pela primeira vez na companhia de baixo custo, disse hoje à Lusa o diretor comercial para o mercado nacional, José Lopes. 

© Srdjan Zivulovic / Reuters

Sem avançar números relativos ao aumento da procura nos primeiros dez dias de maio, na sequência da greve dos pilotos da TAP e da Portugália, o responsável confirmou que a companhia de baixo custo ('low cost') recebeu passageiros que "nunca tinham voado com a easyJet sobretudo na categoria 'business'" (classe executiva) e que "muitos irão voltar". 

"A greve na TAP foi uma boa oportunidade para quebrar alguns tabus de pessoas que nunca tinha voado com a companhia", adiantou à Lusa José Lopes, no dia em que foram divulgados os resultados da easyJet relativos ao primeiro semestre, terminado a 31 de março. 

José Lopes sustentou que "os números relativos ao período de greve de dez dias na TAP apenas são contabilizados no segundo semestre" e que a companhia está "a apresentar os resultados relativos ao primeiro semestre", que foram "muito positivos em Portugal, em linha com o resto da Europa". 

A expectativa da easyJet é que muitos destes passageiros voltem: "Acredito que vão voltar no futuro, na sequência de experiências positivas".  

"A taxa de repetição é de 58% dos passageiros. No segmento de 'negócios' a taxa de repetição sobe para os 62%", acrescentou. 

Os pilotos da TAP e da Portugália estiveram dez dias em greve, entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20% no capital da empresa no âmbito da privatização. 

A easyJet anunciou hoje pela primeira vez lucro no primeiro semestre do ano fiscal, que começa a 01 de outubro, fechando este período com um resultado líquido antes de impostos de 9,7 milhões de euros (sete milhões de libras) e uma receita de 2.455 milhões de euros (1.767 milhões de libras). 

No mesmo período, a taxa de ocupação média aumentou 0,7 pontos percentuais para 89,7%, enquanto a capacidade disponível cresceu 3,6% para 32,2 milhões de assentos.

A easyJet abriu novas bases em Amesterdão e no Porto, passando a contar com 26 bases. 

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.