sicnot

Perfil

País

Ministério da Educação vai transferir 53 milhões para ensino superior "em breve"

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) disse hoje que vai transferir, até ao final deste mês, 53 milhões de euros às universidades e politécnicos, valor que diz respeito à reposição dos salários da função pública.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

"Os reforços orçamentais das instituições de Ensino Superior foram comunicados no fim-de-semana aos reitores das universidades e aos presidentes dos politécnicos, e totalizam 39 milhões para as universidades e 14 milhões para os politécnicos", disse hoje à Lusa fonte do gabinete de imprensa do MEC.

As verbas vão ser libertadas pelas Finanças e transferidas "em breve", ainda "antes do final do mês" , acrescentou a mesma fonte do gabinete de imprensa.

O Diário Económico de hoje refere que as universidades e politécnicos dizem "que o valor comunicado" pelo ministro da Educação, Nuno Crato, "é idêntico ao calculado pela maioria das instituições".

Em março passado, por exemplo, o reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, estimava que a verba a repor era de cerca de 7,7 milhões de euros. A Universidade de Lisboa, por seu turno, estimava em 11 milhões de euros a verba a repor.

A reposição dos 53 milhões de euros diz respeito ao impacto da reposição salarial, determinada pelo Tribunal Constitucional em 2014.









Lusa
  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.