sicnot

Perfil

País

Tribunal da Relação nega recurso para liberdade condicional de Carlos Cruz

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) rejeitou esta terça-feira um recurso de Carlos Cruz em que o apresentador de televisão, condenado no processo Casa Pia, solicitava a liberdade condicional, disse à agência Lusa fonte do TRL.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O recurso foi interposto depois de, em fevereiro último, o Tribunal de Execução de Penas ter recusado o pedido de liberdade condicional de Carlos Cruz, preso no âmbito do processo Casa Pia, considerando que não interiorizou a culpa nem mostrou arrependimento, segundo disse na altura o seu advogado.

Ricardo Sá Fernandes referiu então que a juíza de execução de penas recusou o pedido do ex-apresentador de televisão "basicamente por entender que não tinha interiorizado a culpa" dos crimes que lhe foram imputados nem mostrado arrependimento e confessado os crimes.

Carlos Cruz foi ouvido a 22 de janeiro, na cadeia da Carregueira, por uma juíza do tribunal de penas para que esta avaliasse se o ex-apresentador de televisão, que já cumprira metade da pena, podia sair em liberdade condicional.

Carlos Cruz cumpriu, em dezembro de 2014, metade da pena (três dos seis anos) a que foi condenado.

O ex-apresentador de televisão já teve dois pedidos para concessão de saídas precárias, um deles no período de Natal.

Durante o processo Casa Pia, o TRL alterou a pena inicial de sete anos de prisão a que Carlos Cruz tinha sido condenado na primeira instância, fixando-a em seis anos, por três crimes de abuso sexual de menores.

Além de Carlos Cruz, foram condenados, neste processo, o antigo motorista da instituição, Carlos Silvino (15 anos de prisão), o médico Ferreira Dinis (sete anos de prisão), Manuel Abrantes (cinco anos e nove meses) e Jorge Ritto (seis anos e oito meses).

Carlos Cruz e Jorge Ritto perderam, entretanto, as condecorações da Ordem do Infante D. Henrique que lhes tinham sido atribuídas pelos ex-Presidentes da República Jorge Sampaio e Mário Soares, respetivamente.
Lusa
  • Juíza recusa liberdade condicional a Carlos Cruz

    País

    O Tribunal de Execução de Penas recusou o pedido de liberdade condicional de Carlos Cruz, preso no âmbito do processo Casa Pia, considerando que não interiorizou a culpa nem mostrou arrependimento, disse hoje à Lusa o seu advogado.

  • Defesa de Carlos Cruz admite recorrer à Relação após recusa de liberdade condicional
    2:17

    País

    O Tribunal de Execução de Penas recusou o pedido de liberdade condicional de Carlos Cruz, que já cumpriu metade da pena de prisão por crimes de abuso sexual de menores, no âmbito do processo Casa Pia. A juíza considerou que o ex-apresentador não interiorizou a culpa, nem mostrou arrependimento. A defesa pondera recorrer da decisão para o Tribunal da Relação. Ao mesmo tempo, Carlos Cruz está a preparar o lançamento da autobiografia.

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.