sicnot

Perfil

País

Direito do Consumo exige maior fiscalização na promoção de bebidas alcoólicas

A Associação Portuguesa de Direito do Consumo (APDC) exige maior fiscalização na promoção de bebidas alcoólicas na comunicação social, cujo tema vai ser debatido em Gaia, no dia 29, numa conferência internacional."As infrações sucedem-se e as televisões dão pontapés à lei sem controlo, ao promover bebidas alcoólicas a qualquer hora do dia", denuncia o presidente da associação Mário Frota, aludindo às referências a marcas de cerveja ou de vinho em vários programas televisivos.A APDC recorda que, segundo o Código da Publicidade, é expressamente proibida a promoção a bebidas alcoólicas na televisão e na rádio, entre as 07:00 e as 22:30.Para Mário Frota, "estas transgressões são muito graves e a Direção-Geral do Consumidor tem de estar mais atenta, bem como a Entidade Reguladora da Comunicação Social, no que se prende com a proteção dos menores"."As restrições à venda são sempre muito pouco eficazes, tanto na Chicago de Al Capone como nos dias de hoje. A proteção aos mais jovens tem de começar na proibição dos apelos ao consumo no espaço público, ou seja, na publicidade", sublinhou.O presidente da APDC considera que as recentes alterações à Lei do Álcool são "manifestamente insuficientes" para travar o acesso dos mais jovens e que falta também fiscalização à promoção publicitária das bebidas.A conferência internacional "Bebidas Alcoólicas & Meios de Comunicação Social", a realizar no dia 29, no auditório da Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Instituto Politécnico do Porto, em Vila Nova de Gaia, a partir das 09:00, será presidida por Mário Frota.A iniciativa, organizada pela APDC, junta especialistas nacionais e internacionais para analisar estratégias para a prevenção do consumo de álcool e abordar as políticas adotadas na União Europeia.Entre os conferencistas estão o conselheiro do Comité Económico e Social Europeu, Jorge Pegado Liz, e do presidente da Entidade Reguladora da Comunicação Social, Carlos Magno.

© Ilya Naymushin / Reuters

A Associação Portuguesa de Direito do Consumo (APDC) exige maior fiscalização na promoção de bebidas alcoólicas na comunicação social, cujo tema vai ser debatido em Gaia, no dia 29, numa conferência internacional.

"As infrações sucedem-se e as televisões dão pontapés à lei sem controlo, ao promover bebidas alcoólicas a qualquer hora do dia", denuncia o presidente da associação Mário Frota, aludindo às referências a marcas de cerveja ou de vinho em vários programas televisivos.

A APDC recorda que, segundo o Código da Publicidade, é expressamente proibida a promoção a bebidas alcoólicas na televisão e na rádio, entre as 07:00 e as 22:30.

Para Mário Frota, "estas transgressões são muito graves e a Direção-Geral do Consumidor tem de estar mais atenta, bem como a Entidade Reguladora da Comunicação Social, no que se prende com a proteção dos menores".

"As restrições à venda são sempre muito pouco eficazes, tanto na Chicago de Al Capone como nos dias de hoje. A proteção aos mais jovens tem de começar na proibição dos apelos ao consumo no espaço público, ou seja, na publicidade", sublinhou.

O presidente da APDC considera que as recentes alterações à Lei do Álcool são "manifestamente insuficientes" para travar o acesso dos mais jovens e que falta também fiscalização à promoção publicitária das bebidas.

A conferência internacional "Bebidas Alcoólicas & Meios de Comunicação Social", a realizar no dia 29, no auditório da Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Instituto Politécnico do Porto, em Vila Nova de Gaia, a partir das 09:00, será presidida por Mário Frota.

A iniciativa, organizada pela APDC, junta especialistas nacionais e internacionais para analisar estratégias para a prevenção do consumo de álcool e abordar as políticas adotadas na União Europeia.

Entre os conferencistas estão o conselheiro do Comité Económico e Social Europeu, Jorge Pegado Liz, e do presidente da Entidade Reguladora da Comunicação Social, Carlos Magno.



  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.