sicnot

Perfil

País

Metro encerra hoje a partir das 23:20 devido a greve contra subconcessão

O Metropolitano de Lisboa encerra hoje às 23:20 devido à greve de 24 horas que os trabalhadores agendaram para terça-feira, informou fonte da empresa.

Miguel A.Lopes

Numa nota, o Metro adianta que a circulação estará suspensa entre as 23:20 de hoje e as 06:30 de quarta-feira por motivo de greve de 24 horas convocada por várias organizações sindicais representativas dos trabalhadores.

A transportadora acrescenta que a Carris reforçará algumas das carreiras de autocarros que coincidem com os eixos servidos pelo Metro, entre as 06:30 e as 21:00 de terça-feira.

As linhas com reforço do número de autocarros em circulação são a 726 (Sapadores - Pontinha Centro), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas -- Bairro Dr. Lima Pimentel), a 744 (Marquês de Pombal - Moscavide - Qta. Laranjeiras) e a 746 (Marquês de Pombal - Estação Damaia).

Os trabalhadores do Metro agendaram a greve de terça-feira em protesto contra a subconcessão do Metropolitano de Lisboa, aprovada pelo Governo no final de fevereiro.

Além da greve de terça-feira, está marcada uma outra greve de 24 horas para o dia 26, pelos mesmos motivos.

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) marcou para quinta-feira uma "Marcha contra as privatizações: Público é de todos -- Privado é só de alguns", que, de acordo com informação disponibilizada no "site", se iniciará pelas 10:30 no Largo Camões, em Lisboa, seguindo depois até à Assembleia da República.

O Governo aprovou a 26 de fevereiro a subconcessão do Metro e da Carris e, em março, foi publicado em Diário da República o anúncio do concurso público internacional. Os candidatos à subconcessão teriam até 14 de maio para apresentar as propostas.

No entanto, os concursos internacionais para a subconcessão do Metropolitano de Lisboa e da rodoviária Carris foram prolongados para data indeterminada devido ao número de questões colocadas pelos interessados, disse fonte da Transportes de Lisboa.

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".