sicnot

Perfil

País

Passos Coelho abre debate quinzenal no parlamento esta quarta-feira

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre na quarta-feira o debate quinzenal no parlamento, tendo comunicado que fará uma intervenção sobre "questões de relevância política, económica e social".

ESTELA SILVA

O último debate quinzenal realizou-se no dia 6 de maio e ficou marcado pelas afirmações de Passos Coelho sobre Dias Loureiro, depois de confrontado pela porta-voz do BE, Catarina Martins.

Catarina Martins exigiu que o primeiro-ministro explicasse os elogios feitos dias antes a Dias Loureiro, responsabilizando o antigo ministro de Cavaco Silva pela "fraude" do BPN.

Na resposta, o chefe de Governo reiterou o tom elogioso, atribuindo a Dias Loureiro o mérito de "vencer na vida e ter negócios bem-sucedidos" apesar de ser natural do interior do país, concretamente de Aguiar da Beira.

Catarina Martins abordou também o tema da biografia autorizada de Passos Coelho, em que era relatado que Paulo Portas, em 2013, tinha comunicado ao primeiro-ministro, por mensagem de telemóvel, a intenção de se demitir. 

Quando Passos Coelho respondeu, confundiu o cargo de presidente do CDS-PP com o de líder do maior partido da oposição e negou alguma vez ter enxovalhado Paulo Portas: "Em primeiro lugar nunca na vida enxovalhei ninguém, muito menos o líder do principal partido da oposição, está muito equivocada", disse.

Uma outra mensagem de telemóvel foi assunto no debate quinzenal, com o PSD a acusar o secretário-geral do PS de tentar condicionar a liberdade de imprensa, numa alusão à mensagem enviada por António Costa a um diretor-adjunto do Expresso, e desafiou os socialistas a pronunciarem-se sobre o caso.

O PS, por seu turno, acusou o Governo de adotar uma política de "terra queimada" em final de mandato ao privatizar setores estratégicos e considerou "vergonhoso" o recente movimento diplomático para "controlar" a diplomacia económica.

"O Governo é o principal responsável ao insistir na privatização. O que se está a passar na TAP é uma vergonha para o seu Governo", apontou o líder parlamentar do PS, Eduardo Ferro Rodrigues, antes de também referir que a política de "terra queimada" do executivo se estende à concessão dos transportes públicos, matéria que advogou já ter sido alvo de uma decisão contrária por parte de um tribunal administrativo.

Lusa
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.