sicnot

Perfil

País

Passos Coelho abre debate quinzenal no parlamento esta quarta-feira

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre na quarta-feira o debate quinzenal no parlamento, tendo comunicado que fará uma intervenção sobre "questões de relevância política, económica e social".

ESTELA SILVA

O último debate quinzenal realizou-se no dia 6 de maio e ficou marcado pelas afirmações de Passos Coelho sobre Dias Loureiro, depois de confrontado pela porta-voz do BE, Catarina Martins.

Catarina Martins exigiu que o primeiro-ministro explicasse os elogios feitos dias antes a Dias Loureiro, responsabilizando o antigo ministro de Cavaco Silva pela "fraude" do BPN.

Na resposta, o chefe de Governo reiterou o tom elogioso, atribuindo a Dias Loureiro o mérito de "vencer na vida e ter negócios bem-sucedidos" apesar de ser natural do interior do país, concretamente de Aguiar da Beira.

Catarina Martins abordou também o tema da biografia autorizada de Passos Coelho, em que era relatado que Paulo Portas, em 2013, tinha comunicado ao primeiro-ministro, por mensagem de telemóvel, a intenção de se demitir. 

Quando Passos Coelho respondeu, confundiu o cargo de presidente do CDS-PP com o de líder do maior partido da oposição e negou alguma vez ter enxovalhado Paulo Portas: "Em primeiro lugar nunca na vida enxovalhei ninguém, muito menos o líder do principal partido da oposição, está muito equivocada", disse.

Uma outra mensagem de telemóvel foi assunto no debate quinzenal, com o PSD a acusar o secretário-geral do PS de tentar condicionar a liberdade de imprensa, numa alusão à mensagem enviada por António Costa a um diretor-adjunto do Expresso, e desafiou os socialistas a pronunciarem-se sobre o caso.

O PS, por seu turno, acusou o Governo de adotar uma política de "terra queimada" em final de mandato ao privatizar setores estratégicos e considerou "vergonhoso" o recente movimento diplomático para "controlar" a diplomacia económica.

"O Governo é o principal responsável ao insistir na privatização. O que se está a passar na TAP é uma vergonha para o seu Governo", apontou o líder parlamentar do PS, Eduardo Ferro Rodrigues, antes de também referir que a política de "terra queimada" do executivo se estende à concessão dos transportes públicos, matéria que advogou já ter sido alvo de uma decisão contrária por parte de um tribunal administrativo.

Lusa
  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.