sicnot

Perfil

País

Passos Coelho abre debate quinzenal no parlamento esta quarta-feira

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre na quarta-feira o debate quinzenal no parlamento, tendo comunicado que fará uma intervenção sobre "questões de relevância política, económica e social".

ESTELA SILVA

O último debate quinzenal realizou-se no dia 6 de maio e ficou marcado pelas afirmações de Passos Coelho sobre Dias Loureiro, depois de confrontado pela porta-voz do BE, Catarina Martins.

Catarina Martins exigiu que o primeiro-ministro explicasse os elogios feitos dias antes a Dias Loureiro, responsabilizando o antigo ministro de Cavaco Silva pela "fraude" do BPN.

Na resposta, o chefe de Governo reiterou o tom elogioso, atribuindo a Dias Loureiro o mérito de "vencer na vida e ter negócios bem-sucedidos" apesar de ser natural do interior do país, concretamente de Aguiar da Beira.

Catarina Martins abordou também o tema da biografia autorizada de Passos Coelho, em que era relatado que Paulo Portas, em 2013, tinha comunicado ao primeiro-ministro, por mensagem de telemóvel, a intenção de se demitir. 

Quando Passos Coelho respondeu, confundiu o cargo de presidente do CDS-PP com o de líder do maior partido da oposição e negou alguma vez ter enxovalhado Paulo Portas: "Em primeiro lugar nunca na vida enxovalhei ninguém, muito menos o líder do principal partido da oposição, está muito equivocada", disse.

Uma outra mensagem de telemóvel foi assunto no debate quinzenal, com o PSD a acusar o secretário-geral do PS de tentar condicionar a liberdade de imprensa, numa alusão à mensagem enviada por António Costa a um diretor-adjunto do Expresso, e desafiou os socialistas a pronunciarem-se sobre o caso.

O PS, por seu turno, acusou o Governo de adotar uma política de "terra queimada" em final de mandato ao privatizar setores estratégicos e considerou "vergonhoso" o recente movimento diplomático para "controlar" a diplomacia económica.

"O Governo é o principal responsável ao insistir na privatização. O que se está a passar na TAP é uma vergonha para o seu Governo", apontou o líder parlamentar do PS, Eduardo Ferro Rodrigues, antes de também referir que a política de "terra queimada" do executivo se estende à concessão dos transportes públicos, matéria que advogou já ter sido alvo de uma decisão contrária por parte de um tribunal administrativo.

Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.