sicnot

Perfil

País

Primeiro-ministro acusa PS de prometer "milagres"

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou esta quarta-feira o PS de prometer "milagres" aos eleitores, reiterando a convicção de que os socialistas não vão cumprir as regras da União Europeia.

Interpelado pelo PSD, no encerramento do debate quinzenal, no parlamento, Pedro Passos Coelho dedicou a sua intervenção a criticar "o desfiar de anúncios que vêm sendo feitos" pelo PS.

Interpelado pelo PSD, no encerramento do debate quinzenal, no parlamento, Pedro Passos Coelho dedicou a sua intervenção a criticar "o desfiar de anúncios que vêm sendo feitos" pelo PS.

TIAGO PETINGA / Lusa

Interpelado pelo PSD, no encerramento do debate quinzenal, no parlamento, Pedro Passos Coelho dedicou a sua intervenção a criticar "o desfiar de anúncios que vêm sendo feitos" pelo PS.

O primeiro-ministro defendeu que o Governo PSD/CDS-PP tem seguido um caminho prudente de crescimento da economia sem mais dívida, assente na atração de investimento, e dramatizou uma eventual inversão de rumo: "Conduzirão sempre o país ao desastre".

No dia em que o PS apresentou o seu projeto de programa eleitoral, as críticas aos socialistas foram lançadas pelo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro.

O social-democrata falou em "milagre das rosas" para pôr em causa a credibilidade das promessas do PS, acusou os socialistas de estarem numa "deriva eleitoralista", com a mesma receita do passado, e comparou-os ao Syriza ao falar em "versão portuguesa do conto de crianças" - expressão que Passos Coelho tinha utilizado para comentar o programa do Governo grego.

"Vejam bem, em meia dúzia de dias, o PS já prometeu baixar o IVA, baixar o IRS, baixar a Taxa Social Única, voltar às 35 horas, repor os feriados, subir o salário mínimo nacional, desfazer todas as reformas estruturais e, claro, lançar já as bases para o regresso de um novo programa de investimento público desenfreado. É isto que o PS tem dito ao país nos últimos dias", declarou.

Luís Montenegro voltou também a acusar o PS de "arrogância" pela sua intenção de travar a privatização da TAP.

Em seguida, Passos Coelho subscreveu estas críticas e reiterou a convicção de que as propostas do PS são incompatíveis com as regras orçamentais da União Europeia.

"Se é possível, cumprindo as regras, acabar com os cortes, com as medidas extraordinárias, pôr a economia a crescer mais depressa, ter o Estado a encaixar mais receita, ter mais emprego gerado com essas medidas, porque é tão estupido o Governo que lá está, que quer perder as eleições e não faz isso tudo?", questionou.

Referindo-se ao plano macroeconómico do PS que contou com a colaboração de um grupo de economistas, Passos Coelho ironizou: "Não sendo uma Bíblia, foi apresentado por doze apóstolos e parece que faz milagres". 

"Mas não há milagres na economia, nem nas finanças públicas. Os portugueses hoje sabem isso muitíssimo bem", acrescentou.

O primeiro-ministro condenou uma política económica baseada em investimento do Estado - "um Governo que decida investir o que não tem passa a fatura aos portugueses, como passou no passado" - e de estímulo da procura.

Quanto ao aumento do consumo registado, sustentou que "se os portugueses estão a consumir mais é porque podem, porque há mais emprego e mais rendimento que está a ser distribuído" e rejeitou que isso esteja associado a decisões do Tribunal Constitucional: "Tudo o que o Tribunal Constitucional entendeu do lado da despesa que não devia ser consentido nós fomos buscar pelos impostos exatamente a mesma coisa".
Lusa
  • Passos está à espera que António Costa prometa "o céu e a terra"
    1:31

    País

    Pedro Passos Coelho desafiou este sábado o PS a dizer como quer resolver o problema da sustentabildiade da Segurança Social. O primeiro-ministro, que acusa o PS de recusar todo e qualquer tipo de acordos, pede aos socialistas que aprenda com o passado e que seja firme no que defende, quando apresentar o cenário macroeconómico para os próximos anos.

  •  António Costa aconselha "humildade democrática" ao primeiro-ministro
    0:49

    País

    António Costa acusa o Governo de teimosia e de radicalismo ideológico ao insistir na privatização da TAP. Depois de Passos Coelho ter acusado o líder do PS de "imaturidade democrática", António Costa aconselha "humildade democrática" ao primeiro-ministro e lamenta que tenha rejeitado todas as oportunidades que o PS lhe deu para um acordo político.

  • Costa diz que portugueses não esquecem promessas que Passos não cumpriu
    0:40

    Economia

    António Costa garante que não vai prometer aos portugueses aquilo que não pode cumprir, ao contrário do que fez Passos Coelho. O secretário-geral do PS lembra que o primeiro-ministro prometeu, em campanha, que não cortava salários e pensões e que acabou por fazê-lo. Costa diz que os portugueses não esquecem e que não vão eleger de novo alguém em que não podem confiar.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.