sicnot

Perfil

País

Rui Machete aponta terrorismo como aspeto negativo da globalização

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, apontou esta quarta-feira o terrorismo como um dos aspetos negativos do fenómeno da globalização e alertou para a necessidade de adaptar soluções globais a locais concretos.

Rui Machete considerou que o conceito de globalização "não é rigorosamente preciso nos seus limites" e defendeu que "é mais descritivo do que propriamente um valor ou muito positivo ou muito negativo". (Arquivo)

Rui Machete considerou que o conceito de globalização "não é rigorosamente preciso nos seus limites" e defendeu que "é mais descritivo do que propriamente um valor ou muito positivo ou muito negativo". (Arquivo)

Evan Vucci / AP

O chefe da diplomacia portuguesa, que falava num almoço com embaixadores no âmbito das Conferências do Estoril, sublinhou que "o terrorismo hoje concretizado no extremismo islâmico é uma evidência clara dos aspetos negativos do fenómeno da globalização". 

"O extremismo islâmico, o 'jihadismo', é um fenómeno que evidencia claramente como os problemas que se tornam mais alargados vão influenciando um maior número de países. Os Estados vão diminuindo a capacidade de as suas fronteiras serem barreiras para esses movimentos e obrigam a respostas cada vez mais alargadas, cada vez mais internacionalizadas, cada vez mais globais", sustentou. 

No entanto, o ministro apontou também aspetos positivos da globalização, no que respeita à investigação, à cooperação de instituições científicas para dar respostas a "problemas que afligem a humanidade", dando como exemplo a luta contra o cancro.

Rui Machete considerou que o conceito de globalização "não é rigorosamente preciso nos seus limites" e defendeu que "é mais descritivo do que propriamente um valor ou muito positivo ou muito negativo".

O ministro referiu ainda que o fenómeno da globalização é também "acompanhado pela necessidade de encontrar respostas que sejam circunscritas a lugares específicos". 

"É preciso encontrar soluções que não são apenas globais, mas têm de se adaptar a circunstâncias concretas. O fenómeno da globalização hoje já não pode ser visto apenas como um fenómeno positivo, mas como uma descrição que acentua certos aspetos das relações complexas que se estabelecem, mas sem esquecer que existem aspetos que têm de ser vistos da perspetiva local dos agentes, dos atores, que procuram a modificação", concluiu.

As Conferências do Estoril, que decorrem no Centro de Congressos do Estoril até dia 22 de maio, têm como objetivo debater problemas globais.

Esta edição tem como temas principais a educação, o papel da Europa no mundo, a crise financeira, as novas formas de poder e democracia e o diálogo entre religiões.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Incêndio em Alfragide deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação em Alfragide, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa