sicnot

Perfil

País

Sindicato dos Jornalistas protesta por não ter sido ouvido sobre lei da cobertura das eleições

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) anunciou hoje que enviou um protesto a vários responsáveis parlamentares por não ter sido ouvido pela Comissão dos Assuntos Constitucionais no âmbito da discussão da lei sobre a cobertura das eleições pelos media. 

Em comunicado, o SJ aponta que "ao contrário da Plataforma de Media Privado e de um grupo composto por diretores de vários órgãos de comunicação social, o Sindicato dos Jornalistas, que representa todos os jornalistas portugueses, não foi ouvido sobre o processo legislativo em curso".

Em causa está o facto da estrutura sindical não ter sido ouvida pela Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, no âmbito da discussão da revisão da lei de 1975 que regula a cobertura jornalística das eleições e das campanhas eleitorais.

"Ora, o Sindicato dos Jornalistas não é apenas um interlocutor fundamental para as questões laborais, mas para tudo o que diga respeito ao exercício da profissão e à situação no setor da comunicação social, incluindo os assuntos relacionados com a liberdade e a democracia", refere.

Por isso, "aproveitamos para sublinhar a nossa preocupação face a uma eventual revisão da lei que ponha em causa a liberdade de imprensa como princípio estruturante da democracia, consagrado na Constituição da República Portuguesa".

No protesto, o SJ pede "que no âmbito das funções que atualmente desempenha", os responsáveis parlamentares acompanhem "de perto o processo legislativo em curso, assegurando que a decisão que venha a ser tomada não colida com a Constituição".

O sindicato considera "inaceitável que a lei consagre qualquer visto prévio ou ingerência semelhante que ponha em causa a autonomia editorial dos órgãos de comunicação social".

Salienta que "os jornalistas têm o direito de selecionarem a informação que entenderem, de acordo com critérios editoriais e noticiosos, cabendo aos órgãos de comunicação social assegurar uma cobertura que respeite os princípios da igualdade e do pluralismo, garantindo o direito do público a uma informação abrangente e diversa e o direito dos partidos e outros movimentos a verem divulgados os seus pontos de vista".

O SJ sublinha que "tudo isto encontra já eco em instrumento de autorregulação, não sendo necessário impô-lo por via externa".

Lusa
  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.