sicnot

Perfil

País

ACP "completamente de acordo com carta por pontos"

O presidente do Automóvel Clube Portugal (ACP), Carlos Barbosa, disse hoje à agência Lusa estar "completamente de acordo" com a aprovação do sistema da carta por pontos, considerando mesmo que "já deveria ter sido implementada há mais tempo".

Carlos Barbosa, presidente do ACP

Carlos Barbosa, presidente do ACP

(SIC/ Arquivo)

O Governo aprovou na quinta-feira a carta por pontos, regime que vai entrar em vigor a 01 de junho do próximo ano, sem efeitos retroativos e inexistência de amnistia para as contraordenações cometidas ao abrigo da atual lei.

"Estamos completamente de acordo com as cartas por pontos. Tem uma grande vantagem: as pessoas terem acesso ao seu cadastro facilmente através da Internet, coisa que antigamente era impossível", afirmou Carlos Barbosa.

Em conferência de imprensa no Ministério da Administração Interna na quinta-feira, o secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, explicou que vai existir um período de adaptação de um ano, estando previsto na proposta de lei, hoje aprovada em Conselho de Ministros, que o novo regime entre em vigor a 01 de junho de 2016.

Em declarações hoje à Lusa, o presidente do ACP disse estar "completamente de acordo e que "este sistema já deveria ter sido implementado há mais tempo".

"Se eu tiver uma multa muito grave cometida há dois anos e meio não me vou lembrar. A carta por pontos vai ajudar a que as pessoas possam ter na hora, no minuto, o seu cadastro atualizado. Também sabem como ganhar e perder pontos", afirmou.

Carlos Barbosa lembrou que este sistema é uma cópia europeia, estando já a ser praticado em Espanha e França.

"Estamos de acordo. Não vejo qualquer tipo de desvantagens na carta por pontos", concluiu.

O secretário de Estado João de Almeida explicou na quinta-feira que a cada condutor serão atribuídos 12 pontos, que vão diminuindo à medida em que este vá cometendo contraordenações graves ou muito graves, além dos crimes rodoviários, que passam a ter também relevância para o novo regime de cassação da carta.

De acordo com a nova lei, no caso das contraordenações graves, os condutores perdem dois pontos e nas muito graves quatro, enquanto nos crimes rodoviários vão ser subtraídos seis pontos.

Na apresentação do diploma, o secretário de Estado explicou que a condução sob influência do álcool ou substâncias psicotrópicas vai ter um regime próprio, sendo subtraídos aos condutores três pontos nas multas graves e cinco pontos nas muito graves.

A justificação para esta penalização prende-se com o facto de cerca de um terço das vítimas mortais em acidentes de viação terem uma taxa de álcool no sangue acima do limite legal.

Segundo João Almeida, a carta por pontos vai ser aplicável às infrações rodoviárias cometidas após a entrada em vigor da lei.

A partir de 01 de junho de 2016, todos os automobilistas portugueses vão estar abrangidos pelo novo regime e começam do zero, sendo-lhes atribuídos 12 pontos.



Lusa
  • Governo aprova carta de condução por pontos
    1:00

    País

    O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros o novo regime da carta de condução. As contraordenações graves e muito graves vão descontar pontos nas cartas de cada condutor, mas é possível recuperá-los caso se esteja três anos sem cometer qualquer infração grave. O novo regime deverá entrar em vigor em junho do próximo ano como explicou esta tarde o secretário de Estado da Administração Interna.

  • Governo quer mesmo avançar com a carta de condução por pontos
    0:45

    País

    O Governo quer mesmo avançar com o sistema da carta de condução por pontos. Ou seja, a cada infração são atribuídos pontos, que, uma vez acumulados, podem resultar na inibição de conduzir ou na cassação do título. Em entrevista à Antena1 e ao Diário Económico, o secretário de Estado da Administração Interna explicou as vantagens do sistema.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.