sicnot

Perfil

País

Mais de metade dos alunos do ensino superior admite copiar nos exames

A maioria dos estudantes do ensino superior em Portugal admite copiar nos exames (60,7%) e, desse universo, 2,4% dos alunos admite que recorre ao copianço "sempre ou muitas vezes", indica um recente estudo da Universidade do Porto.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Em termos de conduta em exame e a cópia propriamente dita, o que nós obtivemos foi que cerca de 61% dos estudantes admitiu já ter copiado em exames no seu percurso do ensino superior, sendo que 2,4% admitiu que o faz muitas vezes ou sempre", disse à Lusa Aurora Teixeira, investigadora do Observatório de Economia e Gestão e Fraude (OBEGEF), que liderou o estudo científico. 

 

Apesar da magnitude da cópia em exame ser "extremamente elevada" no ensino superior em Portugal, a investigadora revela que o "comportamento quase massificado" e "generalizado de cópia" desceu nove pontos percentuais em relação ao estudo idêntico de 2010, em que 69,3% dos inquiridos admitia copiar nos exames. 

 

O relatório síntese global do estudo científico a que a Lusa teve hoje acesso revela também que os estudantes que admitiram já ter copiaram, apenas "2,5% foram apanhados" a cometer aquela fraude. 
 

"Um número preocupante é a percentagem de estudantes que diz já ter sido apanhado é relativamente reduzida, apenas 2,5%", comentou a investigadora e professora na Faculdade de Economia da Universidade do Porto. 

 

Dos inquiridos, 54,4% "entende que frequentemente a cópia é deliberada", e 74,5% dos inquiridos conhece alguém que "habitualmente copia nos exames". 
 

Outro dado a destacar é que 40,3% afirmou "observar frequentemente ou sempre outros estudantes a copiar nas provas académicas". 

 

Para a investigadora "era preciso que existisse um esforço muito grande de sensibilização para estas matérias, não só em particular no ensino superior, mas de uma forma em geral na sociedade para que os comportamentos se alterassem radicalmente". 
 

Aurora Teixeira refere que quer o plágio, quer a cópia "é muito menos frequente no grau de doutoramento". 
 

"Apesar de existir é muito baixinho. É mais alto no mestrado", revela a investigadora, explicando que há mais plágio e cópias nos mestrados porque os alunos "conhecem melhor os cantos à casa" e não têm todo o tempo para estudar, pois têm trabalho e vida familiar. 

 

Do universo dos 4.028 estudantes inquiridos inscritos no ensino superior este ano letivo, 32,1% admitiu que se não houvesse vigilância durante um exame ou qualquer sanção por copiar estudaria menos. O relatório revela que "23% dos alunos estudariam menos 50% se não houvesse vigilância nos exames". 

 

A especialista defende que há de facto "um fenómeno generalizado" de cópia e plágio que convinha ser levado mais a sério e que devia ser "prevenido" e "atacado". 
 

Copiar nos exames é a fraude mais utilizada em todos os graus de ensino, mas existem muitas mais formas de prevaricar. 

 

Copiar respostas pelo colega durante o exame, utilizar cábulas escritas, utilizar o telemóvel para obter ou trocar respostas, reciclar ensaios ou trabalhos de uma disciplina para outra, citar ou parafrasear com fonte bibliográficas inadequadas ou pedir a um colega para assinar a presença. 

 

O estudo da Universidade do Porto "Integridade Académica em Portugal" teve como objetivo caracterizar a situação portuguesa dos estudantes inscritos no ensino superior no que se refere aos diversos comportamentos e condutas desviantes em termos académicos.



Lusa

  • Trump eleito personalidade do ano pela revista Time

    Mundo

    O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, foi eleito personalidade do ano pla revista Time. O título é atribuído pela publicação norte-americana há quase 90 anos para distinguir a figura que marcou o ano.

  • Cerca de 100 mortos e dezenas de desaparecidos após sismo na Indonésia
    1:24
  • As camisolas de Natal da família real britânica

    Mundo

    O espírito natalício invadiu ontem o Museu Madame Tussauds, em Londres. Foram reveladas as novas figuras de cera da família real britânica - cada membro enverga uma camisola de espírito festivo, com cãezinhos "reais" e "gingerbreadmen" de gosto duvidoso.

  • Os dias na Terra estão a ficar mais longos

    Mundo

    Os dias estão a tornar-se mais longos, mas impercetivelmente, porque vão ser precisos 6,7 milhões de anos para aumentarem um minuto, segundo um estudo publicado quarta-feira pela Proceedings A da Royal Society britânica.

  • Com este vamos arrancar-lhe uma lagriminha!

    Mundo

    Nesta redação, não se vive só de notícias. Também gostamos de nos emocionar com o mundo virtual. Imbuídos pela quadra natalícia, decidimos partilhar este vídeo polaco consigo. O que é preciso para o emocionar? Um tema com uma mensagem simples e que nos faça lembrar que somos todos feitos de carne e osso. Um toque de humor. Um sentimento sazonal, mas nunca em excesso. Um cão [é preciso haver sempre um cão]. Um enredo e algum suspense que nos prenda ao écran. Algo que nos faça engolir em seco. Foi isto que fez um site de vendas online com um anúncio com o título: "Inglês para principiantes". Então? Atingimos o nosso objetivo? Com ou sem lágrima?

  • Leica: a marca lendária entre os fotógrafos
    5:54
    Futuro Hoje

    Futuro Hoje

    3ª FEIRA NO JORNAL DA NOITE

    A Leica, das famosas máquinas fotográficas, abriu na semana passada a primeira loja em Portugal. Grande parte da produção da marca alemã é feita em Lousado, em Vila Nova de Famalicão, há 43 anos.