sicnot

Perfil

País

Sampaio da Nóvoa compromete-se a dar continuidade ao legado de Eanes, Soares e Sampaio

O candidato presidencial Sampaio da Nóvoa comprometeu-se hoje a dar continuidade ao legado de Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio, considerando que o Presidente da República "não deve agir nem contra nem a favor dos governos ou das oposições".

Na carta de princípios da candidatura a Presidente da República que apresenta hoje, a partir das 19:30, no Porto, e à qual a agência Lusa teve acesso, Sampaio da Nóvoa garante que não vai ser um Presidente passivo e que, tendo um "entendimento estável dos poderes presidenciais", não está vinculado a nenhum compromisso político-partidário e responde apenas perante as pessoas e a consciência. 

"Em tudo, procurarei honrar a confiança em mim depositada, dando continuidade ao legado dos mandatos dos Presidentes Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio", enfatiza, sublinhando que o Presidente da República, ao ocupar uma posição institucional, nacional e suprapartidária, "não deve agir nem contra nem a favor dos governos ou das oposições".

Sampaio da Nóvoa compromete-se ainda a defender "a integração europeia, o cumprimento dos acordos internacionais e a defesa dos nossos interesses nacionais", mas deixa um aviso: "Estarei especialmente atento à celebração, no futuro, de compromissos que reduzam os poderes soberanos do nosso país. Não aceitarei que sejam assumidos sem uma ampla discussão pública e, se a relevância do que estiver em causa o exigir, sem a prévia realização de um referendo nacional".








Lusa
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15