sicnot

Perfil

País

Investigadores portugueses geram células fundamentais na audição

Investigadores portugueses geraram células ciliadas, fundamentais na audição mas que não se regeneram, a partir de células estaminais embrionárias de ratinhos e em embriões de galinha.

© Lucy Nicholson / Reuters

Segundo a equipa de cientistas, a metodologia pode, depois de testada com células humanas, abrir caminho à pesquisa de medicamentos que possam proteger as células do ouvido de lesões que causam a surdez ou a terapias de regeneração celular.

O estudo é publicado hoje, na revista científica  Development.

Justificando a importância do estudo, Domingos Henrique, investigador-principal do Instituto de Medicina Molecular (IMM) de Lisboa, lembrou à Lusa que as células ciliadas, que se encontram no ouvido interno, são "fundamentais para a deteção do som" e para o sentido de equilíbrio.

Contudo, por se desenvolverem "muito cedo no embrião, já estão muito maduras quando a pessoa nasce e nunca mais voltam a regenerar-se", ressalvou.

A sua equipa, que inclui Alda Costa, estudante de doutoramento e investigadora do IMM, com historial de surdez na família, partiu da pergunta de como é que se poderá criar em laboratório células ciliadas para regenerar as que estão "mortas" em pessoas surdas, atendendo a que "as culturas destas células são muito poucas, as células têm de se refazer".

Numa primeira fase, os investigadores reproduziram células ciliadas a partir de células estaminais embrionárias (células com potencial para dar origem a qualquer tipo de célula) de ratinhos.

A equipa "forçou" essas células a tornarem-se ciliadas através de reprogramadores genéticos, os chamados fatores de transcrição.

No caso em concreto, os cientistas pegaram em três fatores, que regulam a atividade dos genes considerados essenciais para fazer as células ciliadas.

O resultado, explicou Domingos Henrique, foi que as células estaminais se tornaram capazes de "gerar milhares, milhões de células" do ouvido.

O método foi, posteriormente, aplicado em embriões de galinha. 

Ao "forçarem" a expressão das proteínas necessárias para as células ciliadas, no desenvolvimento do embrião da galinha, e em zonas celulares do ouvido que normalmente não produzem estas células, o grupo de investigadores verificou que "as células ciliadas aparecem de novo, como cogumelos, no epitélio [tecido celular] do ouvido [médio]", assinalou Domingos Henrique.

De futuro, os cientistas pretendem replicar a estratégia em ratinhos adultos surdos e, em seguida, em células estaminais embrionárias humanas.

Para Domingos Henrique, a experiência com células humanas pode vir a ser útil para "testar os efeitos de drogas que causam a surdez, ou de drogas que conseguem prevenir a morte destas células [ciliadas]".

A longo prazo, as células ciliadas geradas artificialmente poderão, ainda, ser transplantadas e substituir no ouvido as que estão danificadas ou que se perderam.

O estudo, desenvolvido pelo Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, em associação com a Fundação Champalimaud, teve a colaboração de investigadores do University College London Ear Institute, no Reino Unido.



Lusa
  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.