sicnot

Perfil

País

Investigadores portugueses geram células fundamentais na audição

Investigadores portugueses geraram células ciliadas, fundamentais na audição mas que não se regeneram, a partir de células estaminais embrionárias de ratinhos e em embriões de galinha.

© Lucy Nicholson / Reuters

Segundo a equipa de cientistas, a metodologia pode, depois de testada com células humanas, abrir caminho à pesquisa de medicamentos que possam proteger as células do ouvido de lesões que causam a surdez ou a terapias de regeneração celular.

O estudo é publicado hoje, na revista científica  Development.

Justificando a importância do estudo, Domingos Henrique, investigador-principal do Instituto de Medicina Molecular (IMM) de Lisboa, lembrou à Lusa que as células ciliadas, que se encontram no ouvido interno, são "fundamentais para a deteção do som" e para o sentido de equilíbrio.

Contudo, por se desenvolverem "muito cedo no embrião, já estão muito maduras quando a pessoa nasce e nunca mais voltam a regenerar-se", ressalvou.

A sua equipa, que inclui Alda Costa, estudante de doutoramento e investigadora do IMM, com historial de surdez na família, partiu da pergunta de como é que se poderá criar em laboratório células ciliadas para regenerar as que estão "mortas" em pessoas surdas, atendendo a que "as culturas destas células são muito poucas, as células têm de se refazer".

Numa primeira fase, os investigadores reproduziram células ciliadas a partir de células estaminais embrionárias (células com potencial para dar origem a qualquer tipo de célula) de ratinhos.

A equipa "forçou" essas células a tornarem-se ciliadas através de reprogramadores genéticos, os chamados fatores de transcrição.

No caso em concreto, os cientistas pegaram em três fatores, que regulam a atividade dos genes considerados essenciais para fazer as células ciliadas.

O resultado, explicou Domingos Henrique, foi que as células estaminais se tornaram capazes de "gerar milhares, milhões de células" do ouvido.

O método foi, posteriormente, aplicado em embriões de galinha. 

Ao "forçarem" a expressão das proteínas necessárias para as células ciliadas, no desenvolvimento do embrião da galinha, e em zonas celulares do ouvido que normalmente não produzem estas células, o grupo de investigadores verificou que "as células ciliadas aparecem de novo, como cogumelos, no epitélio [tecido celular] do ouvido [médio]", assinalou Domingos Henrique.

De futuro, os cientistas pretendem replicar a estratégia em ratinhos adultos surdos e, em seguida, em células estaminais embrionárias humanas.

Para Domingos Henrique, a experiência com células humanas pode vir a ser útil para "testar os efeitos de drogas que causam a surdez, ou de drogas que conseguem prevenir a morte destas células [ciliadas]".

A longo prazo, as células ciliadas geradas artificialmente poderão, ainda, ser transplantadas e substituir no ouvido as que estão danificadas ou que se perderam.

O estudo, desenvolvido pelo Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, em associação com a Fundação Champalimaud, teve a colaboração de investigadores do University College London Ear Institute, no Reino Unido.



Lusa
  • As alterações na carta de condução que ajudam a poupar
    6:16
  • Obama diz que não fica em silêncio se os valores do país forem ameaçados
    2:26
  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".

  • Nevão provocou corte de energia no centro dos EUA
    1:37

    Mundo

    Uma tempestade de neve no centro dos Estados Unidos da América provocou cortes no abastecimento de eletricidade, atrasos em voos e dificuldades na circulação rodoviária. Em Espanha, a descida das temperaturas levou à emissão de avisos em 30 províncias de norte a sul do país e deixou 27.700 alunos sem aulas em Valência.

  • Cadela sobrevive após engolir faca de cozinha

    Mundo

    Na Escócia, uma história de sobrevivência, no mínimo, bicuda. Uma cadela engoliu uma faca de cozinha com mais de 20 centímetros, manteve-a dentro de si durante algumas semanas mas sobreviveu, depois de ser operada de urgência..