sicnot

Perfil

País

Lisboa sem metro

É já a sexta greve, este ano, no Metro de Lisboa. Hoje não há composições a circular. A adesão dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa à greve de 24 horas levouao encerramento das portas das estações e à paragem da circulação, disse à Lusa fonte da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

(Arquivo)

(Arquivo)

MARIO CRUZ

"Nesta altura (às 07:45) estamos no início da greve dos principais turnos da manhã e os trabalhadores estão a aderir com índices de adesão semelhantes a outras greves, o que significa que temos as estações fechadas e a circulação parada", disse à agência Lusa Anabela Carvalheira, da Fectrans.

Segundo a sindicalista da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), os trabalhadores prosseguem a sua luta contra a privatização da empresa, em defesa dos postos de trabalho e de um serviço público de qualidade.

O Metropolitano de Lisboa adiantou segunda-feira, numa nota enviada à comunicação social, que a circulação estaria suspensa entre as 23:20 de segunda-feira e as 06:30 de quarta-feira "por motivo de greve de 24 horas convocada por várias organizações sindicais representativas dos trabalhadores".

De acordo com Anabela Carvalheira, os trabalhadores lutam igualmente contra a reestruturação da empresa, que consideram "que está a ser feita completamente à margem de toda a legalidade".

A transportadora acrescenta que a Carris reforçará algumas das carreiras de autocarros que coincidem com os eixos servidos pelo Metro, entre as 06:30 e as 21:00 de terça-feira.

As linhas com reforço do número de autocarros em circulação são a 726 (Sapadores - Pontinha Centro), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas -- Bairro Dr. Lima Pimentel), a 744 (Marquês de Pombal - Moscavide -- Quinta das Laranjeiras) e a 746 (Marquês de Pombal - Estação Damaia).

A greve de hoje é a sexta greve realizada pelos trabalhadores este ano.

Além da greve de 24 horas da passada terça-feira, os trabalhadores da empresa também realizaram greves parciais a 24 de fevereiro, 16 e 18 de março e a 28 de abril, entre as 06:30 e as 09:30, levando a que a circulação de composições se realizasse nesses dias apenas a partir das 10:00.

Anabela Carvalheira adiantou à Lusa que, no final desta semana, princípio da próxima, as centrais sindicais vão reunir e agendar novas datas para continuar a luta.

Greve no metro de Lisboa confirma intolerância do Governo, diz Arménio Carlos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que a greve dos trabalhadores no Metropolitano de Lisboa confirma a "intolerância" e "incapacidade" do Governo para discutir com os sindicatos e resolver o problema.

"Esta greve confirma, mais uma vez, a intolerância e a incapacidade do Governo para se disponibilizar a discutir com os sindicatos a possibilidade de se resolver o problema", disse à agência Lusa Arménio Carlos.

Os funcionários do metro de Lisboa iniciaram hoje às 00:00 uma greve contra a subconcessão e a reestruturação da empresa.

O Metropolitano de Lisboa vai ter a circulação suspensa até às 06:30 de quarta-feira.

"Estamos a assistir a uma atitude prepotente do Governo, que procura a todo o custo passar esta empresa, que é estratégica para a própria cidade, para as mãos da iniciativa privada, pagando-lhe ainda para tomar conta da gestão", salientou o secretário-geral da central sindical.

A greve de hoje é a sexta greve realizada pelos trabalhadores este ano.

"É uma luta para defender os direitos dos trabalhadores, para defender os serviços públicos, a empresa pública, mas acima de tudo para defender o direito ao transporte social", concluiu Arménio Carlos.


  • "Nós estamos a lutar pelos nossos postos de trabalho, pela empresa e pelos utentes"
    1:05

    Economia

    O Metro de Lisboa está hoje em greve, durante 24 horas. A circulação foi suspensa, ao final da noite de ontem, e só será retomada amanhã, às 06:30. Esta é já a sexta paralisação, desde o início do ano. Anabela Carvalheira, do Sindicato dos Transportes, diz que os trabalhadores do Metro de Lisboa compreendem a revolta dos utentes nestes dias, mas garante que, se as greves tiverem sucesso, todo saem beneficiados.

  • As queixas dos utentes do Metro
    1:23

    Economia

    As filas para os autocarros da Carris acumularam centenas de pessoas, esta manhã. Enquanto esperam, os utentes queixam-se das greves consecutivas no metro, do tempo de espera por um autocarro e da falta de transportes alternativos nestes dias de paralisação.

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.