sicnot

Perfil

País

Milhares mudam de curso todos os anos mas o Ministério quer apertar as regras

Mais de seis mil alunos mudaram de curso um ano após terem entrado no ensino superior, segundo dados do Ministério da Educação que quer impedir as transferências de politécnicos para universidades quando se mantêm no mesmo curso.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

Dos quase 73 mil alunos que se inscreveram pela primeira vez numa licenciatura ou num mestrado integrado no ano letivo de 2011/2012, 6.684 acabaram por mudar de curso ou instituição no ano seguinte, segundo dados da Direção Geral de Estatística de Educação e Ciência (DGEEC).

No caso das licenciaturas das universidades e politécnicos públicos e privados, houve 5.570 transferências (num universo de mais de 62 mil alunos) e entre os cerca de 10 mil inscritos nos mestrados integrados, 1.104 mudaram de curso ou instituição.

Os dados da DGEEC não discriminam os casos em que houve transferências de politécnicos para universidades, mas são precisamente as mudanças de subsistema de ensino que levaram o Ministério da Educação e Ciência (MEC) a apresentar uma proposta para impedir algumas situações.

O MEC quer que só em caso de mudança de curso os alunos possam pedir transferência de uma universidade para um politécnico ou vice-versa, segundo proposta de alteração ao Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior.

Para o ministério, um aluno que queira manter-se no mesmo curso não poderá mudar de subsistema de ensino (universidade ou politécnico).

"As transições entre subsistemas continuam a ser permitidas. Com o projeto procura-se aumentar a justiça do sistema numa perspetiva de rigor sem impedir a mobilidade entre subsistemas", explica o MEC em comunicado enviado para a Lusa.

Os dados mais recentes da DGEEC mostram que no ano letivo de 2012/2013 tinham mudado de curso ou instituição cerca de 5.500 alunos que no ano anterior se tinham inscrito pela primeira vez numa licenciatura.

Foi nas áreas da saúde e proteção social que se registou a maior percentagem de alunos a mudar de estabelecimento de ensino.

Já nas áreas de Ciências, Matemática e Informática, há mais estudantes a mudar de curso mas mantendo-se no mesmo estabelecimento de ensino (8,2%) do que os que optam por mudar de estabelecimento de ensino (5,9%). 

Em termos percentuais, a Universidade de Lisboa é a instituição com mais casos de mudanças de estabelecimento de ensino (7,7%), seguindo-se o ISCTE (7,1%), a Universidade Nova de Lisboa (6,7%) e a Universidade da Beira Interior (6,2%). 

Já entre os politécnicos, destacam-se os estudantes de enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto (8,7%) e a Escola Superior de Enfermagem de Lisboa (7,3%) como sendo os que apresentam maior percentagem de mudança de instituição de ensino. 

Em terceiro lugar surge o Instituto Politécnico de Lisboa, onde 6,2% dos alunos mudaram de instituição. 

Por outro lado, a Universidade da Madeira é a única instituição de ensino onde todos os alunos que se tinham inscrito no ano anterior permaneciam nos mesmos cursos.

Um em cada dez alunos que se inscreveu nos mestrados integrados de 1.º ciclo acabou por mudar de curso, segundo a DGEEC que regista uma mudança de 1.104 alunos num universo de 10.332 inscritos.

As áreas da agricultura, saúde e proteção social foram as que registaram mais mudanças de estabelecimento de ensino, em termos percentuais.

As instituições que registaram mais mudanças de estabelecimento foram a Universidade do Algarve (16,4%), Universidade da Beira Interior (12,3%) e a Universidade de Lisboa (10%).







Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.