sicnot

Perfil

País

Nova proposta do PS reconhece liberdade editorial na cobertura das campanhas eleitorais

O PS surpreende e apresenta um novo projeto legislativo que dá liberdade aos meios de comunicação social na cobertura jornalística das campanhas eleitorais, depois de recuar numa proposta polémica que ficou associada ao “visto prévio”. No outro lado da mesa, está uma proposta de lei do PSD-CDS que, apesar de ter uma nova redação, continuar a impor restrições à atividade dos meios de comunicação social, nos noticiários e nos debates, e multas que chegam a 30 mil euros por infração. Resta esperar para ver se, através de um ou do outro projeto (ou dos dois fundidos), a polémica lei de 1975 vai ser revogada a tempo de entrar em vigor nas próximas eleições.

Edgar Ascensão / SIC

Pressionados com a data das eleições (certamente na primeira quinzena de outubro), os principais partidos desdobram-se em esforços para tentar aprovar uma proposta de lei que regule a cobertura jornalística no período eleitoral.

A lei em vigor, com mais de 40 anos, tem tido interpretações contraditórias, o que, nos últimos atos eleitorais, inviabilizou a realização de debates e obrigou os meios de comunicação social, em particular as televisões, a fazer uma cobertura minimalista das campanhas.

Neste momento, há dois projetos para serem discutidos na especialidade: o do PSD, CDS-PP impõe condições e limitações para o exercício da atividade jornalística na cobertura eleitoral; o do PS, pelo contrário, separa de forma clara a propaganda e os tempos de antena dos noticiários, devolvendo a decisão editorial aos jornais, rádios e televisões para fazerem os debates e a cobertura noticiosa segundo as suas capacidades e os seus critérios editoriais.

A proposta do PSD-CDS reitera as restrições aos jornalistas na realização dos debates (para cumprir a lei terão de participar nos debates pelo menos os partidos com assento parlamentar) e, segundo alguns diretores contactados pela SIC, “carece de esclarecimentos” quanto à forma como deve ser feita a cobertura das campanhas. A lei fala em “equilíbrio e equidade” e “acontecimentos valor informativo e relevância jornalística análoga”, mas “não deixa claro o que esses conceitos significam na prática jornalística, remetendo para uma entidade administrativa, a Comissão Nacional de Eleições (CNE), a sua interpretação”. Além disso, mantém os poderes da CNE, que fiscaliza a atividade dos jornalistas durante o processo eleitoral e que aplica multas que podem chegar ao 30 mil euros por cada infração. Esta proposta legislativa continua a incluir, ainda, a regra de que o comportamento dos jornalistas seja, agora, fiscalizado no período de pré-campanha.

A proposta do PS surge depois de uma outra que levantou muita polémica por, entre outras medidas restritivas, impor a apresentação de um plano prévio da cobertura que cada meio de comunicação social pretendia levar a efeito. A proposta acabaria por ser retirada, dando lugar a este novo projeto, que nas palavras dos diretores contactados pela SIC, “é muito mais aberto e próximo da realidade social dos dias de hoje e da relação dos media com os cidadãos” e com as regras a que já se encontram vinculados. Os socialistas tentam, assim, conciliar os dois valores constitucionais: liberdade de imprensa e o princípio da igualdade de oportunidades e de tratamento das candidaturas.

Ao respeitar a liberdade editorial na cobertura noticiosa durante o período eleitoral, o projeto do PS vai ao encontro das propostas e contributos que vinte diretores dos principais meios de comunicação social portugueses têm vindo a defender publicamente.

Os dois projetos vão ser agora ser discutidos e aprovados na especialidade, para depois subirem ao plenário para votação final.

Resta esperar para ver se os três partidos se entendem e aprovam um texto conjunto que acabe de vez com a polémica em torno de uma lei que o Presidente da República apelidou de “anacrónica” e as principais forças partidárias consideram desajustada e impossível de respeitar, nomeadamente em relação aos debates.

Recorde-se que, nos últimos atos eleitorais, as televisões deixaram de fazer debates (para cumprir a atual lei, teriam de realizar mais de uma centena, o que é manifestamente impossível) e reduziram a cobertura da campanha aos mínimos para, assim, não só respeitarem a lei garantidamente (que impõe o princípio de igualdade de tratamento jornalístico em, relação a todas as candidaturas, independentemente da importância dos acontecimentos e do contexto da atualidade informativa), mas também para evitarem a aplicação de multas pesadas.

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.