sicnot

Perfil

País

IEFP já atendeu mais de 1.200 mulheres vítimas de violência doméstica

Mais de 1.200 mulheres vítimas de violência doméstica foram atendidas pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional em sistema de atendimento prioritário e reservado, desde que a medida entrou em vigor, anunciou hoje a secretária de Estado da Igualdade.

SIC

A falar perante os deputados, no decorrer da reunião plenária onde foram apresentados uma proposta de lei do Governo e dois projetos de lei do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista (PCP) sobre violência doméstica, Teresa Morais apontou que uma das alterações legislativas que o Governo propõe é o da legislação passar a prever este atendimento reservado e prioritário por parte do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

"Desde que esta medida está em curso, ela já ajudou 1.243 vítimas e todas estas mulheres tiveram nos 84 pontos focais do país do IEFP atendimento prioritário e reservado", adiantou a secretária de Estado.

Por outro lado, relativamente ao projeto, iniciado neste ano, "A Escola vai à Casa Abrigo", Teresa Morais disse que está em marcha, em projeto-piloto, em 14 casas abrigos, com a ajuda de 21 docentes, e que envolve já 82 mulheres vítimas de violência doméstica.

Relativamente à proposta de lei do Governo, a secretária de Estado justificou-a com a necessidade de "expurgar a lei de inutilidades", clarificar normas e trazer para o quadro legal novas realidades.

A esse propósito, Teresa Morais adiantou que as propostas do Governo vão no sentido, entre outras, de trazer uma clarificação da rede pública de apoio à vítima, integração na rede pública da resposta de acolhimento de emergência para vítimas de violência doméstica e a inclusão na lei do atendimento prioritário no IEFP ou no acesso a ofertas de emprego.

Pelo PCP, a deputada Rita Rato adiantou que o projeto de lei comunista vai no sentido de, por exemplo, clarificar o significado de crime violento ou pedir um aumento do adiantamento de indemnização que é dado via Comissão de Proteção às Vítimas de Crimes.

Já o Bloco de Esquerda, por seu lado, pediu medidas concretas no que diz respeito ao afastamento do agressor, pela voz da deputada Cecília Honório.

Sobre essa matéria, a deputada socialista Elza Pais alertou mesmo que ou são encontradas soluções para afastar o agressor em tempo útil ou as mulheres vão continuar a ser assassinadas, às mãos daqueles com quem, em determinado momento, escolheram viver.

As matérias apresentadas tiveram a concordância de todas as bancadas, tendo mesmo a secretária de Estado, no fim, agradecido o consenso em torno das propostas.

Lusa
  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.