sicnot

Perfil

País

Acolhimento de refugiados tem de ter em conta o desemprego, diz Passos

O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que o acolhimento de refugiados pela União Europeia tem de ter em conta as condições económicas e financeiras de cada Estado-membro, e sobretudo o nível de desemprego.

Passos Coelho falava numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo tunisino, Habib Essi

Passos Coelho falava numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo tunisino, Habib Essi

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

"A proposta que foi feita pela Comissão [Europeia] precisa de ser melhor temperada, justamente atendendo às condições que nomeadamente Portugal e outros países enfrentam, sobretudo quando temos em linha de conta o elevado desemprego que ainda se regista em Portugal", afirmou Passos Coelho, no final da III Cimeira Luso-Tunisina, no Palácio das Necessidades, em Lisboa.

Passos Coelho salientou que os refugiados e imigrantes "vão à procura de oportunidades" e, a este propósito, referiu-se também à recente emigração de portugueses: "À medida que formos recuperando a economia e o emprego iremos, tenho a certeza, oferecer melhores condições para acolher mais imigrantes e mais refugiados. Desde logo, precisaremos também de acolher mais portugueses que tiveram de procurar outras economias durante estes anos de maior dificuldade".

Numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo tunisino, Habib Essid, o primeiro-ministro português considerou que as políticas de migração da União Europeia devem atender "à relação que existe entre todos os Estados - há uns que têm acolhido mais do que outros - mas também à situação económica e financeira".

Segundo o chefe do executivo PSD/CDS-PP, o esforço dos países com mais desemprego tem de ser "mais adaptado a essa circunstância". 

Passos Coelho insistiu neste ponto: "Seria evidentemente pouco compreensível que os países que têm mais desemprego tivessem agora um crescimento maior nas quotas que viessem conhecer em termos de acolhimento para refugiados".

"Não é por acaso que muitos dos imigrantes e muitos dos refugiados depois procuram as economias que têm um maior potencial de criação de emprego. Essas pessoas vão à procura de oportunidades. Não é por acaso que não vêm para as economias que passaram por processos de recessão económica mais intenso", apontou.

O primeiro-ministro português ressalvou que considera que "a Europa tem de fazer mais, e Portugal também está disposto a fazer mais e a acolher mais refugiados e mais imigrantes, mas refletindo evidentemente as suas condições económicas e financeiras".

"Portanto, é uma discussão que vamos fazer no Conselho Europeu, certos de que em primeiro lugar não nos parece bom princípio de obrigar quer os países quer as pessoas que precisam de acolhimento a ficarem obrigadas a um determinado regime durante um determinado tempo. O regime de obrigatoriedade não nos parece um bom princípio", acrescentou.



Lusa
  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Estados Unidos vão reforçar as sanções à Coreia do Norte
    1:31

    Mundo

    Washington pretende também investir nos esforços diplomáticos para que Pyongyang ponha fim aos programas nucleares e de mísseis. A nova estratégia de Donald Trump foi anunciada quarta-feira à noite. A força aérea norte-americana testou esta quarta-feira um míssil de longo-alcance que percorreu 6800 quilómetros sobre o Pacífico a partir de uma base na Califórnia.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.