sicnot

Perfil

País

Fiscais vão controlar infrações de estacionamento por smartphone

A Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) vai, em julho, reorganizar as metodologias de fiscalização, com a aquisição de um sistema informático que permitirá aos fiscais denunciarem infrações através de um smartphone, segundo o presidente da companhia.  

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Fabrizio Bensch / Reuters

Em declarações à agência Lusa, Luís Natal Marques explicou que este sistema "estará perfeitamente integrado com as contraordenações e com as ações de fiscalização, no sentido de acelerar os processos que hoje são relativamente demorados". 

 
 

O objetivo é que, a partir de julho, "o fiscal na posse de um smartphone possa controlar o estacionamento e saber se aquela pessoa que está ali estacionada naquele momento está a recorrer a algum pagamento que tenha feito através do ePark [aplicação da EMEL]", exemplificou. 

 
 

Isto vai permitir ter uma "comunicação muito mais facilitada com a sede e [...] retirar daí, logicamente, níveis de produtividade mais altos do que temos", sustentou Luís Natal Marques. 

 
 

Em causa está um investimento de cerca de um milhão de euros, com a aquisição do 'software' Opera e de equipamentos, tanto informáticos como móveis, os smartphones. 

 
 

Além disso, a empresa vai contratar mais de 70 fiscais, num investimento de 1,7 milhões de euros. 

 
 

A contratação de mais pessoal também coincide com o regresso à EMEL de 15 mil lugares, cuja gestão tinha sido atribuída a um grupo de empresas externo denominado Street Park, composto pela Empark e pela Brisa, explicou o gestor. 

 
 

Este grupo fazia a exploração da chamada zona verde, "que é o eixo central da cidade, Avenida da República, Fontes Pereira de Melo e Avenida da Liberdade". 

 
 

Porém, "esse contrato foi denunciado", pelo que os lugares voltam em julho para a EMEL, precisou. 

 
 

Em 2009, o Tribunal de Contas determinou como ilegal o contrato assinado entre a EMEL e a Street Park, por considerar que a passagem da exploração de estacionamento na zona central da cidade para privados deveria ter sido feita pela autarquia, com autorização da Assembleia Municipal, por concurso público. 

 
 

Só no ano passado, a EMEL pagou à Street Park perto de 4,5 milhões de euros. "Pelas contas que fazemos, conseguiremos prestar esse serviço de forma mais económica", assinalou Luís Natal Marques, falando em "poupanças líquidas de três milhões". 

 
 

O presidente da EMEL -- que sucedeu a António Júlio de Almeida, após este ter sido demitido pelo município em fevereiro -- adiantou que a entrada de mais pessoal possibilitará ainda atingir "números mais razoáveis", de cerca de 700 lugares por cada fiscal. 

 
 

"Temos andado, até agora, com cerca de 1.500 por fiscal", referiu. 

 
 

Segundo dados disponíveis no 'site' da EMEL, a empresa gere mais de 45 mil lugares tarifados e mais de três mil parquímetros, tendo ainda sob a sua alçada 24 parques, num total de quatro mil lugares. 

 
 

No campo da tecnologia, a empresa lançou em setembro do ano passado a aplicação ePark, que permite pagar o estacionamento através de um pré-carregamento. 

 
 

Atualmente, a "percentagem de negócios que está afeta a esse meio de pagamento específico já é superior a 10% do valor de negócios mensal", concluiu Luís Natal Marques.



Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50