sicnot

Perfil

País

Ramalho Eanes diz que povo deve exigir que políticos cumpram promessas

O antigo Presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta terça-feira que, nas próximas eleições, se deve exigir aos políticos que cumpram as promessas e digam como as vão pagar, porque não basta ganhar eleições para se governar quatro anos.

O antigo Chefe de Estado realçou que, "em democracia, quem domina sempre, porque é soberano, é o povo, e dominado sempre, obviamente com justiça, com diálogo, é o Governo". (Arquivo)

O antigo Chefe de Estado realçou que, "em democracia, quem domina sempre, porque é soberano, é o povo, e dominado sempre, obviamente com justiça, com diálogo, é o Governo". (Arquivo)

SIC

Ramalho Eanes encerrou hoje na Casa da Música, no Porto, a conferência do Jornal de Notícias que marca 127 anos do diário, considerado que "todos são em parte responsáveis, embora haja uns que são mais responsáveis e outros menos", pela situação atual do país.

"Entre as várias coisas que nos cabe exigir nas próximas eleições, há duas que eu entendo fundamentais: Exijamos que os políticos cumpram as promessas, mas, antes disso, nos digam como e onde vão arranjar meios para as executar", defendeu.

O antigo Chefe de Estado realçou que, "em democracia, quem domina sempre, porque é soberano, é o povo, e dominado sempre, obviamente com justiça, com diálogo, é o Governo".

"Não basta ganhar eleições para se governar quatro anos, é necessário ganhar eleições e governar bem", sublinhou.

Para Eanes, se se continuar a demissão de cada um daquilo que é a sua responsabilidade social, não será possível nunca ter uma democracia adulta.

"Que não mais permitamos que decisões políticas importantes sejam tomadas sem que a sua evidência pública seja apresentada pelo Governo. Não pode ser decidido sobre um grande investimento público sem que o Governo nos diga, nos demonstre a evidência do seu interesse", alertou.

O antigo Presidente da República quer ainda nesses "grandes investimentos haja uma transparência sistemática". 

"É bom que durante estas próximas eleições possamos dizer aos políticos que nós somos políticos, que a nossa participação não é feita de quatro em quatro anos", antecipou.

Ramalho Eanes falou ainda de "um certo receio" que corresponde a uma certa tradição na história: "que muitas vezes se confunda a vitória na noite das eleições com a conquista do país".
Lusa
  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.