sicnot

Perfil

País

Rede ilegal desmantelada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) desmantelou hoje uma rede que  adquiriu, de forma fraudulenta, documentos com a nacionalidade portuguesa, tendo cumprido três mandados de detenção e 15 mandados de busca em domicílios, estabelecimentos e veículos.

(Arquivo)

A nota de imprensa emitida pelo SEF explica que a operação "Livro Mágico" surgiu no seio de uma investigação a uma organização criminosa que se dedicava à aquisição fraudulenta da nacionalidade portuguesa para estrangeiros, alegadamente nascidos nas ex-colónias portuguesas da Índia, através de documentos falsos, nomeadamente assentos e certificados de nascimento emitidos de forma fraudulenta.

Neste processo, foi atribuída a nacionalidade portuguesa a centenas de cidadãos indianos, o que resultou na emissão de cartões de cidadão, passaportes, cartas de condução e outro tipo de documentação a cidadãos não-oriundos dos antigos territórios portugueses na Índia.

O cumprimento dos mandados de busca e detenção, realizados nos concelhos de Lisboa e Vila Franca de Xira, resultou na apreensão de documentos, material informático, telemóveis, correspondência, uma viatura, cartões de crédito, uma quantidade significativa de ouro, joias e cerca de 20 mil euros.

Segundo o SEF, a documentação apreendida prova que muitos dos envolvidos na operação "Livro Mágico" têm identidades diferentes daquelas com as quais solicitaram, de modo fraudulento, a nacionalidade portuguesa.

Além das três pessoas detidas, que vão ser apresentadas ao juiz de instrução, foram ainda constituídos cinco arguidos.

Esta investigação iniciou-se há um ano e meio no contexto da troca de informação com as autoridades dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unidos, destinos dos que obtinham a nacionalidade portuguesa por via ilegal.

Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.