sicnot

Perfil

País

PS quer um Governo socialista avaliado todos os anos por um painel de cidadãos

O programa eleitoral do PS prevê que o cumprimento das promessas de um Governo socialista seja avaliado por um painel de eleitores, a autonomia de gestão de museus e monumentos nacionais e o pagamento faseado de propinas.

LUSA

Estas são três medidas referentes às áreas da democracia, cultura e Ensino Superior que constam na versão final do programa eleitoral do PS, que tem 90 páginas, está dividido em cinco partes distintas e que será votado no sábado na Convenção Nacional deste partido, que se realiza no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

No capítulo referente à melhoria da qualidade da democracia, o PS propõe a criação de um mecanismo de "avaliação anual do cumprimento das promessas presentes no programa de Governo, com a participação de um grupo de cidadãos escolhidos aleatoriamente de entre eleitores que se pré-inscrevam".

Embora o universo deste grupo não esteja ainda definido - podem ser dezenas ou centenas -, a ideia é que os membros deste painel de eleitores resultem de um sorteio.

Para o PS, "esta é uma medida própria de um partido que não tem medo de ser avaliado com regularidade e que se insere na lógica de abertura política aos cidadãos, tal como aconteceu com as eleições primárias e com a elaboração do programa eleitoral participativo".

No capítulo da cultura, destaque para a intenção do PS de permitir que certos equipamentos culturais bandeira, como museus e monumentos de especial relevância, possam beneficiar de uma maior autonomia de gestão para concretização de projetos que importem mais-valias para a cultura, o património, a economia e o turismo".

Desta forma, se um museu nacional pretender estar aberto num dia especial ao longo de 24 horas, ou quiser celebrar um protocolo de cooperação com outro a nível nacional ou internacional, "não esteja dependente da autorização da tutela" para concretizar a iniciativa.

Já no domínio do Ensino Superior, numa conjuntura de desemprego elevado e de dificuldades económicas por parte de famílias, os socialistas prometem concretizar a possibilidade de pagamento faseado de propinas.

"Em vez de o estudante ser obrigado a pagar 800 ou 900 euros de uma vez, deve poder fazê-lo de forma faseada", defende o PS.

Neste campo do Ensino Superior, o PS quer rever o regime de atribuição de bolsas, "tendo em vista o cumprimento do objetivo europeu de aumentar o número de estudantes" neste grau académico.








Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.