sicnot

Perfil

País

Ministério considera greve de enfermeiros de "difícil justificação"

O Ministério da Saúde considera de "difícil justificação" a greve dos enfermeiros, alegando que está a decorrer um processo negocial conjunto, e sublinha que nos últimos três anos o Governo tem adotado medidas reivindicadas pelo sindicato.

Em comunicado divulgado hoje, o Ministério da Saúde afirma que o Governo e a CNESE (Comissão Negociadora Sindical dos Enfermeiros) têm a decorrer, desde 13 de maio, um processo negocial conjunto, pelo que a atual greve nacional convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), que integra a CNESE, é "de difícil justificação". 

Segundo a tutela, os objetivos acordados traduzem-se na celebração de um acordo coletivo de trabalho que regula o recrutamento de enfermeiros, a avaliação de desempenho dos profissionais com contrato individual de trabalho, bem como a harmonização da sua tabela remuneratória, e a organização do tempo de trabalho da carreira de enfermagem.

O ministério garante ainda que, além destas matérias, poderão ser negociadas outras que sejam do interesse de ambas as partes e constantes do caderno reivindicativo da CNESE.

No que se refere à abertura de procedimentos para a categoria superior de enfermeiro-principal, o comunicado salienta a criação de um grupo de trabalho que integra representantes da CNESE e da ACSS, que deverá propor critérios para determinar o número de postos de trabalho a preencher e do faseamento da abertura destes concursos.

O Governo recorda que nos últimos três anos "tem mantido um processo de diálogo com os representantes dos enfermeiros", do qual resultou a aprovação de legislação "relevante para a carreira de enfermagem", como sendo regras para as direções de enfermagem, requisitos para recrutamento de enfermeiros e criação do Enfermeiro de Família, atualmente com projetos-piloto em 35 Agrupamentos de Centros de Saúde.

"Ao longo deste período o Governo adotou medidas que foram de encontro às preocupações da CNESE", nomeadamente no que se refere à erradicação de situações precárias e à introdução de instrumentos para acelerar a contratação de enfermeiros pelos estabelecimentos de saúde do SNS.

Sobre a contratação de enfermeiros nos últimos três anos, o Ministério da Saúde recorda que em 2013 contratou 579 profissionais de enfermagem, em 2014 mais 965 e já este ano, até 3 de junho, contratou 839.

Além disso, encontra-se proposta para este ano a contratação de mais de 1500 enfermeiros, sublinha, acrescentando que em março foi publicada legislação a autorizar a abertura de concurso para 1000 enfermeiros pelo SNS.

O Governo estima mesmo que a contratação de profissionais de enfermagem para 2015 "venha a ultrapassar largamente as duas mil já anunciadas".

Quanto à alteração do horário de trabalho de 40 para 35 horas semanais reivindicadas pela CNESE, a tutela considera que implicaria a perda, para os utentes do SNS, de 123.290 horas de prestação de cuidados de enfermagem, mas não se pronuncia quanto ao não pagamento dessas 28 horas mensais trabalhadas a mais pelos enfermeiros. 

Relativamente aos números de adesão à greve, que o sindicato situa entre os 70% e os 80%, o Governo não os comenta, considerando que só poderão ser apurados depois de analisadas as folhas de processamento das remunerações deste mês.

No entanto, refere que "os números de greves anteriores, apurados daquela maneira, mostram que a adesão nos últimos dois anos não ultrapassou os 62%, fixando-se em 2015 (greve de março) em 56%". 

"Assim, números de adesão da ordem dos 80% ou 90%, como têm sido divulgados, são fantasiosos", afirma.
Lusa
  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.