sicnot

Perfil

País

Mortos nas estradas aumentaram 19% este ano, num total de 204

Os acidentes nas estradas portuguesas provocaram este ano 204 mortos, mais 33 do que em igual período do ano passado, indicou hoje a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 10.674 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 132 do que em 2014. (Arquivo)

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 10.674 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 132 do que em 2014. (Arquivo)

Lusa

Segundo a ANSR, as vítimas mortais aumentaram 19 por cento entre 01 de janeiro e 31 de maio em relação ao mesmo período de 2014.

A ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, adianta que este ano registaram-se 48.564 desastres nas estradas, mais 1.776 do que em 2014, quando tinham ocorrido 46.788.

Os distritos com mais vítimas mortais este ano são Lisboa e Aveiro, que registaram 22 mortos em cada um, seguindo-se o Porto (18).

Já Bragança é o distrito com menos mortos nas estradas, onde uma pessoa morreu nos primeiros cinco meses do ano.

Também os feridos graves aumentaram até maio, tendo ficado gravemente feridos 809, mais 16 do que em igual período de 2014, indica a ANSR.

Os dados da Segurança Rodoviária mostram ainda que 13.796 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, menos 16 do que em 2014.

As vítimas mortais da ANSR dizem respeito aos mortos cujo óbito ocorreu no local do acidente ou a caminho do hospital.

Lusa
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.