sicnot

Perfil

País

Mais de 43 mil professores votaram contra a "municipalização da Educação"

Mais de 50 mil professores participaram na consulta sobre a "municipalização da Educação" que decorreu nos últimos dias nas escolas e cerca de 43 mil manifestaram-se contra o processo, anunciou esta sexta-feira a Plataforma Sindical de Professores.

Nos últimos três dias, milhares de professores responderam à pergunta "Concorda com a municipalização da Educação?" lançada pela Plataforma Sindical de Professores que colocou 2197 mesas de voto nas escolas, entre 2 e 4 de junho. (Arquivo)

Nos últimos três dias, milhares de professores responderam à pergunta "Concorda com a municipalização da Educação?" lançada pela Plataforma Sindical de Professores que colocou 2197 mesas de voto nas escolas, entre 2 e 4 de junho. (Arquivo)

Lusa

Nos últimos três dias, milhares de professores responderam à pergunta "Concorda com a municipalização da Educação?" lançada pela Plataforma Sindical de Professores que colocou 2197 mesas de voto nas escolas, entre 2 e 4 de junho.

Os resultados hoje divulgados revelam que "a esmagadora maioria é contra a municipalização", afirmou Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, sublinhando que "mais de 50 mil professores estiveram envolvidos votando nesta consulta".

Ainda com 15 por cento das mesas de voto por apurar, a Plataforma Sindical apresentou os resultados das 44.551 respostas já apuradas: 97,5% dos professores votaram contra (43.437 docentes), 1,7% a favor, 0,57% votaram em branco e houve ainda 0,16% de votos nulos.

Perante os resultados, "a Plataforma sente-se legitimada para exigir do Governo que pare com a municipalização", afirmou Mário Nogueira, acrescentando que os professores querem a suspensão do processo e, logo após as eleições, exigem a abertura de um processo de debate envolvendo toda a comunidade educativa.

Para já, vão pedir "reuniões urgentes" ao Ministério da Educação e Ciência e Ministério do Desenvolvimento Regional para exigir a suspensão do modelo.

Segundo Mário Nogueira, os professores estão contra a transferência de competências para as autarquias porque "consideram que há matérias que não são das câmaras municipais, nomeadamente as de ordem pedagógica, curricular ou de gestão de professores".

A plataforma acredita que no início da próxima semana será possível disponibilizar todos os dados do "referendo" realizado esta semana e não tem dúvidas que as percentagens se manterão semelhantes.

"No levantamento feito distrito a distrito, os números são arrasadores para a municipalização, que vão desde os 92% aos 99% de votos contra", afirmou Mário Nogueira, explicando que a percentagem mais baixa se registou em Viana do Castelo.

Nos concelhos onde o processo já está a avançar, os resultados também revelaram uma forte contestação à medida: "Em Matosinhos, votaram 83% dos professores e 97% votaram contra", exemplificou Mário Nogueira, na conferência de imprensa que reuniu representantes das oito estruturas sindicais que pertencem à Plataforma.

Na Mealhada, 95% votaram contra a transferência de competências da educação para os municípios e no concelho do Crato "não houve um único voto favorável", sublinhou.

Mário Nogueira revelou ainda que estão previstas concentrações: os docentes de Matosinhos vão concentrar-se dia 8 junto à Assembleia Municipal, onde será debatida esta questão, e no dia 15 serão os da Mealhada a reunir-se em frente ao município, porque a autarquia também deverá decidir sobre esta matéria.

O Governo tem rebatido as críticas, afirmando, por exemplo, no caso dos professores, e depois de alguma polémica inicial, que está excluída qualquer possibilidade de as escolas poderem vir a contratar professores, que manterão o seu vínculo contratual ao Ministério da Educação.

Segundo as últimas propostas de contrato de delegação de competências nos municípios conhecidas, o processo prevê atribuir às autarquias responsabilidades na gestão de edifícios, funcionários não docentes e até de uma parte do currículo dos alunos, que poderá ter um pendor regional, orientado para as especificidades da região em que as escolas se inserem.
Lusa
  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57