sicnot

Perfil

País

António Capucho diz que Costa lhe merece plena confiança pessoal e política

O antigo ministro e dirigente do PSD António Capucho acusou esta sexta-feira o Governo de ter produzido uma devastação social e afirmou que o secretário-geral do PS tem provas dadas e lhe merece plena confiança pessoal e político.

Expulso do PSD em 2014, António Caucho proporcionou uma das primeiras ovações da noite de Convenção Nacional do PS, quando declarou o seu apoio ao PS nas próximas eleições legislativas.

Expulso do PSD em 2014, António Caucho proporcionou uma das primeiras ovações da noite de Convenção Nacional do PS, quando declarou o seu apoio ao PS nas próximas eleições legislativas.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Expulso do PSD em 2014, António Caucho proporcionou uma das primeiras ovações da noite de Convenção Nacional do PS, quando declarou o seu apoio ao PS nas próximas eleições legislativas.

"Por todas as provas dadas e conhecidas ao longo dos anos, que testemunhei, António Costa merece a minha plena confiança no plano pessoal e político. Sem prejuízo do meu estatuto de independente e sem qualquer contrapartida, em consciência e em coerência com as minhas convicções ideológicas (pois continuo a ser social-democrata), quero aqui deixar o meu testemunho de apoio público ao PS nas próximas eleições legislativas", declarou o antigo secretário-geral do PSD e ex-presidente da Câmara de Cascais, recebendo uma prolongada salva de palmas.

No início da sua intervenção, o antigo ministro social-democrata elogiou o presidente honorário do PS, Almeida Santos, figura que considerou "uma referência da democracia portuguesa", referiu a sua atual condição de independente na Assembleia Municipal de Cascais e lembrou que há três anos entrou em rutura com o PSD, partido que ajudou "a fundar ao lado de Francisco Sá Carneiro".

Depois, fez uma crítica cerrada ao atual Governo PSD/CDS, acusando-o de ter ido "muito para além" da 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia).

"Foi manifesto que o Governo incumpriu as promessas que fez solenemente na campanha eleitoral ao cortar salários, pensões e apoios sociais, mas também ao reduzir serviços públicos essenciais, ao mesmo tempo que procedeu a um aumento brutal de impostos", sustentou.

Para o ex-ministro do PSD, a terapêutica do Governo "foi excessiva, apressada, sufocou a economia e conduziu a uma devastação social, com agravamento da pobreza e do fosso entre ricos e pobres". 

"Perderam-se mais de 400 mil empregos em termos líquidos e levou à emigração de mais de 250 portugueses, na sua maioria jovens", apontou.

Ora, para António Capucho, "o problema é que ainda na quarta-feira à noite, numa iniciativa fracassada da coligação PSD/CDS, destinada apenas a ofuscar a apresentação do programa eleitoral do PS, a maioria confirmou que não pretende mudar de estratégia".

"O que se impõe precisamente é fazer diferente, aliviando a austeridade e apostando no relançamento da economia e do emprego", contrapôs, antes de considerar como "globalmente positivas e credíveis" as propostas constantes no programa eleitoral do PS.
Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.