sicnot

Perfil

País

Associações da GNR contra estatuto "militar" apresentado pelo Governo

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG) discorda do projeto de estatuto profissional hoje apresentado pelo Governo, e avisa que, se não for modificado, os militares da GNR "partirão para a contestação".

(SIC/ Arquivo)

A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, reuniu-se hoje com associações representantes da GNR, a quem apresentou uma proposta de estatuto profissional, estando marcada nova reunião para dia 23, altura em que a APG, disse o seu presidente, espera que sejam aceites propostas de alteração.

César Nogueira, presidente da APG, disse à Lusa que a reunião de hoje, muito rápida, serviu essencialmente para a ministra apresentar o documento, com o qual a APG discorda profundamente.

"É um estatuto feito por generais do exército, vamos fazer contrapropostas e esperamos que a ministra as aceite, porque este estatuto não serve a GNR nem os seus profissionais e parece mais um 'subestatuto' das Forças Armadas", disse César Nogueira, acrescentando: "Não somos militares das Forças Armadas, somos uma força policial".

De acordo com o responsável, o estatuto proposto reforça a componente militar da GNR, quando o que os profissionais pretendem é o contrário, e remete para 2019 a regulamentação do horário de referência, que será de 40 horas.

José Alho, presidente da Associação Socioprofissional Independente da Guarda (ASPIG), também em declarações à Lusa, disse que o estatuto é "extremamente militar" e que as propostas da ministra visam transformar a GNR "num quarto ramo das Forças Armadas".

Os dois dirigentes criticaram ainda a forma como a reunião decorreu, com a ministra praticamente a não responder a dúvidas e a limitar-se a entregar um envelope com a proposta, disse César Nogueira, e a defraudar "todas as expectativas legítimas dos militares que compõem a GNR", nas palavras da ASPIG.

Além de uma possível contestação ao projeto, a APG está a promover ações em defesa de um estatuto de aposentação "digno" e em protesto pelo não cumprimento da lei quanto a questões como a idade da reforma ou os horários de trabalho.

Segundo César Nogueira a Caixa Geral de Aposentações não está a cumprir a lei ao considerar os guardas funcionários públicos, porque, em termos de aposentação, o estatuto da GNR não permite a idade da reforma aos 66 anos.

Por isso a APG vai fazer, no próximo dia 17, uma vigília em frente à Caixa Geral de Aposentações, que começará às 08:00, sem hora para terminar, disse César Nogueira à Lusa.

A ministra Anabela Rodrigues reuniu-se com as cinco associações socioprofissionais da GNR, ao fim da tarde de hoje, para apresentar um documento há muito aguardado pelos profissionais e que foi prometido no início da legislatura.







Lusa
  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.