sicnot

Perfil

País

Greve às horas extra no INEM a partir de 24 de junho

Os trabalhadores do INEM vão fazer greve às horas extraordinárias a partir de 24 de junho, anunciou a  Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Tiago Petinga/Lusa

"A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) emitiu hoje um aviso prévio de greve ao trabalho extraordinário, para os trabalhadores do Instituto Nacional de Emergência Médica, a partir das 00.00 horas, do próximo dia 24 do corrente mês, depois de esta manhã o titular da pasta da Saúde ter negado uma reunião com esta estrutura sindical, para discutir a gravíssima situação de falta de pessoal no INEM", lê-se no comunicado enviado às redações.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical Luís Pesca, explicou que por se tratar da prestação de cuidados de saúde impreteríveis, a federação decidiu respeitar os 10 dias para o pré-aviso de greve.

Uma delegação de representantes dos trabalhadores tentou hoje reunir-se com o ministro da Saúde, Paulo Macedo, ou com algum dos secretários de Estado para debater o problema da sobrecarga de trabalho que afeta estes profissionais.

Segundo a federação sindical, a tutela está a pôr em causa a assistência a doentes emergentes e a impor aos trabalhadores com funções de técnicos de emergência "períodos de trabalho com descanso somente ao fim de 20 e mais dias".

A FNSTFPS insiste na necessidade de reunir com o ministro e com o presidente do INEM, pelo que também hoje dirigiu a estes responsáveis, pedidos de reunião com caráter de urgência.

Em comunicado, a federação manifesta solidariedade para com os trabalhadores do INEM, que afirma estarem a ser alvo de ameaças por parte da entidade patronal.

O presidente do INEM disse hoje que há sete ambulâncias paradas em Lisboa na sequência do protesto dos trabalhadores, no total de 21 daquelas viaturas do instituto na capital.

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião no Ministério da Saúde, Paulo Campos disse que não havia qualquer pré-aviso de greve em vigor que suporte o protesto dos trabalhadores e sublinhou que a população não deve ficar alarmada porque o socorro não está em causa.

O presidente do INEM garantiu que foram pagos até agora "todos os valores reclamados do passado" pelos trabalhadores, enquanto o pagamento dos subsídios de alimentação dos turnos extra começa a ser pago este mês.

Os técnicos de ambulância de emergência estão desde o início do mês a recusar fazer horas extraordinárias, queixando-se de falta de pagamento de subsídios e de horas extra e de mais cortes no salário.


Com Lusa
  • Mário Centeno lidera hoje a primeira reunião do Eurogrupo
    1:56
  • Grafitter morre após cair do telhado da estação de Sete Rios
    0:57

    País

    Um grafitter morreu no sábado na estação intermodal de Sete Rios, em Lisboa. O jovem caiu de uma altura de seis metros, enquanto fazia um grafitti. As autoridades terão sido alertadas por um amigo, mas quando o INEM chegou o jovem de 21 anos já estava morto.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

  • Pelo menos 22 corpos retirados de hotel atacado em Cabul

    Mundo

    Pelo menos 22 corpos foram removidos do hotel de Cabul, no Afeganistão, atacado neste fim de semana pelos talibãs e alguns serão difíceis de identificar por estarem calcinados, de acordo com um novo relatório do Ministério da Saúde.

  • Casal que mantinha filhos acorrentados queria participar num reality show
    3:15
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.